fbpx

Líder Esportes

Opinião

A pátria de rodinhas

Todos que acompanham o skate internacional sabiam que Rayssa Leal, na modalidade Street, e Pedro Barros, no Park, são dois dos maiores gênios do esporte das rodinhas na atualidade. E nos Jogos Olímpicos de Tóquio, a Fadinha e o catarinense só fizeram aquilo do que deles esperavam. Com a medalha de prata de Pedro Barros, conquistada na madrugada nesta quinta-feira (5), o Brasil se consolidou como uma das potências do skate. Nossa delegação sai do Japão com três medalhas de prata, só atrás dos donos da casa, que abocanharam cinco medalhas.

Uma inspiração para a galera que ama fazer manobras espetaculares em cima da prancha de madeira. Sem dúvidas! Pedro Barros é multicampeão do Skate Park e está entre os três maiores nomes brasileiros da modalidade em todos os tempos, ao lado de Sandro Dias, o Mineirinho, e Bob Burnquist – que, apesar do nome e sobrenome, é 100% made in Brasil. E não é só. O Brasil vem com uma geração de notáveis, principalmente no masculino Park, com Pedro Quintas e Luiz Francisco, também finalistas olímpicos. E no Street, o talento de Kelvin Hoefler, um ex-surfista que aproveitou as manobras realizadas nas praias do Guarujá, onde nasceu, para brilhar no skate com a terceira prata na Terra do Sol Nascente.

Foi lindo vê-los em cena nos Jogos Olímpicos. O skate, que até pouco tempo atrás era sinônimo de vandalismo (para alguns poucos, claro), hoje é orgulho nacional. A própria Letícia Bufoni, um dos ícones do skate feminino do Brasil, afirmou que já sofreu muitos preconceitos por andar sobre as rodinhas em seus ‘rolês’ noturnos pelas ruas do bairro paulistano na Vila Matilde, Zona Leste de São Paulo, onde nasceu. Mas essa fase de preconceitos ficou para trás. Felizmente. Agora é tudo diferente. As crianças querem o skate. Os pais querem o skate. As meninas querem o skate. E Piracicaba é uma cidade privilegiada, com pelo menos quatro pistas de alto nível espalhadas pela cidade, com destaque para a localizada na região da Rua do Porto. Bora andar, galera!

A medalha de Pedro Barros foi a 19ª do Brasil na olimpíada, feito que igualou o recorde histórico dos Jogos do Rio, em 2016. Como ainda podemos ganhar medalhas no vôlei masculino e feminino e no futebol masculino, só para citar duas modalidades, teremos com certeza nesta edição a maior campanha de nossa delegação. Graças também ao skate!

Erivan Monteiro é jornalista e cronista esportivo

Voltar