fbpx
Automobilismo

100 Milhas: a tradição do automobilismo piracicabano

Cancelada pela primeira vez em 31 anos, prova já reuniu nomes como Pace e Fittipaldi

Dito Giannetti, maior vencedor das 100 Milhas Piracicaba
Dito Giannetti é o maior vencedor das 100 Milhas Piracicaba: sete títulos na carreira (Foto: Arquivo/ECPA)

Há mais de três décadas, o mês de agosto se tornou especial para os amantes do automobilismo em Piracicaba. Sem uma pista apropriada para as corridas de kart, durante quase 30 anos as ruas da cidade serviram de ‘autódromo’ para os pilotos. Entre eles estava Dito Giannetti, que desde a década de 1960 carregava consigo o sonho de construir um espaço adequado para os campeonatos. No dia 13 de agosto de 1989, ele viu o seu projeto ser inaugurado no distrito de Tupi. Ali nascia o ECPA (Esporte Clube Piracicabano de Automobilismo), palco da tradicional prova 100 Milhas Piracicaba, que reúne participantes de todos os cantos do país e que seria disputada pela 31ª vez consecutiva em 2020, mas foi cancelada por conta da pandemia causada pela Covid-19.

“Nós tínhamos dificuldades em ter um local para competir. O Campeonato Paulista e as competições regionais eram disputados em pistas de rua. Aqui em Piracicaba as corridas aconteciam na Vila Rezende, no bairro Paulista… A promessa de um kartódromo foi feita por diversos prefeitos, mas nunca foi realizada. Depois, veio a promessa de um autódromo que começou a ser construído onde hoje fica o Cemitério da Vila Rezende. Foi feita a terraplanagem, mas ele não foi concluído”, contou Giannetti, que se despediu das provas oficiais em 2019.

100 Milhas Piracicaba

A prova 100 Milhas Piracicaba é o mais tradicional evento automobilístico da cidade (Foto: Arquivo/ECPA)

De acordo com o empresário e ex-piloto, a mudança do kart para o autocross foi o primeiro passo que levou Giannetti a tirar o sonho do papel. “Decidi fazer uma pista de terra. Nós a construímos em uma área que fazia parte da empresa Dedini, onde era a antiga Sociedade Hípica de Piracicaba, mas por problemas financeiros precisamos encerrar o espaço em 1983. Depois, em 1988, quando eu já havia conquistado o Campeonato Brasileiro e era seis vezes campeão paulista, os amigos estavam me pressionando para a construção de uma pista, então eu comprei essa área no distrito de Tupi. Na época, nós achamos o local ideal pela topografia do terreno e pela localização, que não incomodaria ninguém pelo barulho”, destacou.

Segundo Giannetti, entre 1989 e 2012, o ECPA passou por diversas reformulações antes de ser totalmente concluído. “Começamos com a pista de terra e, em 2000, instalamos o kartódromo, que Piracicaba ainda não possuia. Nesse período, ficou difícil a manutenção da pista de terra e resolvemos fazer a pavimentação. Primeiro, foi construída a pista da reta principal, usada para as arrancadas, depois foi feito o contorno externo. Finalmente, em 2012, concluímos o autódromo, com 2.100 metros. O autódromo era um sonho. Foram muitas noites sem dormir e muito trabalho físico e mental para realizá-lo”, disse o piracicabano.

‘O autódromo era um sonho. Foram noites sem dormir e muito trabalho físico e mental para realizá-lo’, disse Giannetti

Antes da construção do ECPA, a prova 100 Milhas Piracicaba já fazia sucesso na década de 1960. Ao longo do tempo, o evento reuniu grandes nomes do automobilismo brasileiro, como Émerson Fittipaldi, Marcos Troncon, José Carlos Pace e Wilson Fittipaldi. No formato atual, a primeira edição ocorreu em 1984, no bairro Parque Taquaral. A tradicional corrida comemora o aniversário da cidade. “Eu corri diversas vezes e tive o prazer de uma delas ganhar do meu amigo Fittipaldi (Émerson), um piloto excepcional”, falou Giannetti, maior vencedor da competição com sete títulos.

O também piracicabano Gustavo Favoretto, atual campeão na categoria carros de turismo, é um dos poucos pilotos a vencer a prova nas duas categorias em que ela é atualmente disputada – em 2016, Favoretto foi campeão na gaiola tubular. A história do piloto com  o autódromo começou quando ele ainda era criança. “Eu frequento o ECPA desde a minha infância porque o meu tio (Airton Favoretto) participava de corridas de autocross junto com o Dito Giannetti e outros pilotos. Sempre tive o sonho de correr também. O tempo passou e durante um período eu fui colaborador no ECPA, mas jamais esperava que um dia fosse um dos vencedores das 100 Milhas, uma prova tradicional da cidade e de todo o Brasil”, completou o piloto.

Atualmente, a prova é disputada entre carros de turismo e gaiolas tubulares (Foto: Adilson Zavarize)

Voltar