Futebol

XV campeão: um filme de angústia com final feliz

Relembre, passo a passo, toda a trajetória rumo ao título da Copa Paulista 2016

Mateus Pasinato, goleiro do XV de Piracicaba
Mateus Pasinato foi um dos heróis da conquista: XV fecha o ano com título (Alexandre Battibugli/FPF)

*Capa: Alexandre Battibugli/FPF

O ano de 2016 não sairá nunca da memória de quem é apaixonado pelo XV de Piracicaba. Os dias dolorosos pelas trágicas mortes do lateral Cláudio Canavarros, da fisioterapeuta Marcella Damas e do ex-atacante Fábio Santos, somados às perdas irreparáveis de duas lendas que fizeram, de forma diferente, parte do clube: Idiarte, o homem que mais vezes vestiu a camisa zebrada, e Paulo Moraes, provavelmente o dirigente mais carismático do XV nas duas últimas décadas. No campo, as esperanças logo se esgotaram com o rebaixamento para a Série A2, fruto de uma crise administrativa que resultou nas saídas do presidente Rodrigo Boaventura e do vice, Renato Bonfíglio.

‘A ligação das pessoas com o XV é algo que nunca vi igual no mundo do futebol’, diz Beto Souza, gerente de futebol

No segundo semestre, houve a reformulação conduzida pelo empresário Celso Christofoletti, que reassumiu a principal cadeira do clube, ao lado de Ricardo Moura e Beto Souza, responsável pelo futebol. A desconfiança foi pouco a pouco deixada para trás com a entrega do grupo de atletas que desembarcou em Piracicaba, liderados à beira do gramado pelo comandante Cléber Gaúcho, treinador estudioso, inteligente e que já conhecia os valores do XV de Piracicaba. A descrença deu lugar à expectativa quando a equipe arrancou para as quartas de final, depois semifinais e, enfim, a decisão da antes maldita e agora querida Copa Paulista.

Com sofrimento, como não poderia ser diferente, o XV de Piracicaba fechou 2016 com o título conquistado em Araraquara após a disputa de pênaltis contra a Ferroviária. A campanha histórica, que recolocou o Alvinegro no Campeonato Brasileiro após 13 anos, teve 24 partidas, com 14 vitórias, seis empates e apenas quatro derrotas. A equipe dirigida por Cléber Gaúcho marcou 32 gols e sofreu somente 14. LÍDER acompanhou a trajetória do XV desde o início da competição, dia após dia, e recorda agora, jogo a jogo, como foi construída a história de mais um título para a galeria do Barão da Serra Negra. Confira:

PRIMEIRA FASE


02/07 – XV DE PIRACICABA 3×0 JUVENTUS

Deu gosto de ver. Jogando bem e deixando ótima impressão para os torcedores, o XV de Piracicaba estreou com o pé direito na Copa Paulista. Com gols do meia Barreto, do atacante Rodolfo e um contra do zagueiro Victor Sallinas, o Alvinegro derrotou o Juventus por 3×0 no Barão da Serra Negra. O time piracicabano foi superior ao rival do início ao fim. Apesar da vitória, o técnico Cléber Gaúcho perdeu o meia Alisson Costa, lesionado, para o restante da competição. O clima nos bastidores era de tristeza pela morte do ex-atacante Fábio Santos e pelo AVC sofrido pela fisioterapeuta Marcella Damas.


16/07 – BRAGANTINO 0x2 XV DE PIRACICABA 

Com grande atuação no primeiro tempo, o XV de Piracicaba conquistou a segunda vitória na Copa Paulista. Fora de casa, o time piracicabano venceu o Bragantino por 2×0. O volante Clayton e o atacante Rodolfo marcaram os gols no estádio Nabi Abi Chedid. O resultado manteve o Nhô Quim na liderança do Grupo 3, com seis pontos ganhos. O time de Bragança Paulista não perdia uma partida em casa pela Copa Paulista desde o dia 21 de agosto de 2005 e detinha a maior invencibilidade da história da competição. Mateus Pasinato alcançava a marca de 345 minutos sem sofrer gols.


25/07 – ITUANO 1×1 XV DE PIRACICABA

Três bolas na trave, um pênalti perdido e o primeiro gol sofrido na competição. Deu quase tudo errado para o XV de Piracicaba. Aos 41min do segundo tempo, porém, Romarinho provou que não apenas de técnica e bons jogos vivia a equipe dirigida por Cléber Gaúcho. Na base da vontade, o Alvinegro arrancou um empate por 1×1, fora de casa, e manteve a liderança do Grupo 3 da Copa Paulista e a invencibilidade. Alvinegro recebe o Certificado de Clube Formador, documento emitido pela CBF (Confederação Brasileira de Futebol) que ‘protege’ os direitos da agremiação em relação às categorias de base.


27/07 – XV DE PIRACICABA 2×1 PAULISTA

Até os 32 minutos do segundo tempo, o XV de Piracicaba perdia em casa para o Paulista por 1×0. Dois minutos depois, o Barão da Serra Negra era palco de uma festa como há muito tempo não se via. Com gols Romarinho e Rafael Gomes, que mais tarde seria fundamental para a conquista do título, o Nhô Quim conseguiu uma virada heróica e derrotou o time de Jundiaí por 2×1, diante de quase 5.000 torcedores no estádio municipal. O resultado conquistado em casa manteve o Alvinegro na liderança do Grupo 3 da Copa Paulista, após cinco rodadas, com dez pontos ganhos.

31/07 – SÃO PAULO 1×1 XV DE PIRACICABA

São Paulo e XV de Piracicaba empataram por 1×1 no Morumbi, em jogo válido pela sexta rodada da primeira fase da Copa Paulista. O time tricolor abriu o placar no primeiro tempo com Shaylon, enquanto Romarinho deixou tudo igual para a equipe alvinegra na etapa complementar. O Nhô Quim ainda teve o atacante Celsinho expulso. Com o resultado, o XV conservou a invencibilidade e chegou aos 11 pontos, mas poderia perder a liderança do Grupo 3 para o Red Bull. Recuperado de lesão, o volante e capitão Clayton voltou ao time titular e completou 100 jogos pelo clube alvinegro.

06/08 – XV DE PIRACICABA 1×0 RED BULL

No Barão da Serra Negra, não teve cerimônia. Na sexta-feira em que o Rio de Janeiro abriu as Olimpíadas no Maracanã, o XV de Piracicaba fez mais uma vítima em casa na Copa Paulista. O gol não foi olímpico, mas o oportunismo do atacante Rodolfo foi suficiente para o Nhô Quim derrotar o Red Bull por 1×0, em duelo válido pela sétima rodada da primeira fase. O resultado deixou o time piracicabano disparado na liderança do Grupo 3, com 14 pontos, contra dez do segundo colocado Red Bull – naquela altura, o time somava quatro vitórias e dois empates. O técnico Cléber Gaúcho pedia pés no chão ao elenco.

14/08 – JUVENTUS 0x2 XV DE PIRACICABA

A Rua Javari viu no domingo, Dia dos Pais, outra vitória do XV de Piracicaba na Copa Paulista. A vítima da vez foi o Juventus, que perdeu em casa pelo placar de 2×0. Romarinho e Barreto foram os encarregados de anotar os gols da partida. Líder invicto após sete partidas – cinco vitórias e dois empates – e virtualmente classificado para a segunda fase, o Alvinegro chegou aos 17 pontos e abriu seis de vantagem para o segundo colocado Bragantino. Clima no clube, porém, é de luto: vítima de dois AVCs, a fisioterapeuta do Alvinegro, Marcella Damas, morreu aos 28 anos após ficar internada mais de 40 dias.

26/08 – XV DE PIRACICABA 1×1 BRAGANTINO

No duelo entre líder e vice-líder do Grupo 3 da Copa Paulista, XV de Piracicaba e Bragantino empataram pelo placar de 1×1. Os dois gols saíram no segundo tempo. Lourenço colocou os visitantes em vantagem e Zé Mateus deixou tudo igual. Romarinho, artilheiro da equipe, ainda desperdiçou um pênalti aos 51min da etapa complementar. Com o resultado, o Nhô Quim chegou aos 18 pontos ganhos e manteve a primeira colocação isolada, três pontos à frente do Massa Bruta, que disputou uma partida a mais. Desolado com o erro, Romarinho pediu desculpas publicamente aos torcedores.

02/09 – XV DE PIRACICABA 2×0 ITUANO

O XV de Piracicaba continuava invicto, voltou a jogar bem e estava matematicamente classificado para a segundo fase da Copa Paulista. O Alvinegro fez mais uma vítima no Barão da Serra Negra e derrotou o Ituano por 2×0. O nome do jogo foi o atacante Rodolfo, que deu uma assistência para Bruninho no primeiro tempo e definiu o resultado com um golaço na etapa complementar. Com a vitória, o Nhô Quim chegou aos 21 pontos e manteve a liderança isolada do Grupo 3. Em entrevista após a partida, o técnico Cléber Gaúcho foi bastante sincero ao falar da atuação da equipe: “Gostei pra caramba”.

07/09 – PAULISTA 1×0 XV DE PIRACICABA

Caiu o último invicto do Grupo 3 da Copa Paulista. Jogando em Jundiaí, o XV de Piracicaba perdeu para o Paulista pelo placar de 1×0. O único gol da partida disputada no estádio Jayme Cintra foi marcado pelo meia Filipe, aos 15min do segundo tempo. Apesar do revés, o time piracicabano seguia na liderança da chave com 21 pontos, mas via a aproximação perigosa dos adversários – Bragantino e Red Bull ainda sonhavam em terminar a primeira fase no topo da classificação. O goleiro Iago foi o nome do jogo em Jundiaí. No primeiro tempo, a equipe comandada por Cléber Gaúcho criou pelo menos três oportunidades para abrir o placar, mas parou no camisa 1 do Galo.

10/09 – XV DE PIRACICABA 4×0 SÃO PAULO

Há muito tempo o torcedor do XV de Piracicaba não deixava o estádio Barão da Serra Negra satisfeito como naquele sábado. Com atuação memorável do atacante Rafael Gomes, que entrou na segunda etapa e precisou de oito minutos para fazer três gols, o Alvinegro goleou o São Paulo por 4×0, se reabilitou na Copa Paulista e manteve a liderança do Grupo 3, com 24 pontos. Antes do hat-trick de Rafael Gomes, Romarinho abriu o placar no primeiro tempo. Apesar da goleada, o goleiro Mateus Pasinato teve papel fundamental, com pelo menos três ótimas defesas. “Não caiu a ficha ainda”, disse Rafael Gomes após o jogo.

18/09 – RED BULL 1×0 XV DE PIRACICABA

O XV de Piracicaba perdeu o jogo contra o Red Bull e a liderança do Grupo 3 da Copa Paulista aos 47min do segundo tempo, em Campinas. O empate garantia a primeira posição, porém, o time piracicabano foi derrotado pelo adversário com o gol isolado do atacante Erick. Com a derrota por 1×0, o Alvinegro encerrou a primeira fase em segundo lugar e foi para o Grupo 5, ao lado de Água Santa, Penapolense e São Carlos. A estreia da equipe do técnico Cléber Gaúcho na segunda fase seria contra o Água Santa, em Diadema. O zagueiro Doni, lesionado, viraria mais um desfalque pelo resto da competição.

SEGUNDA FASE

Exceção feita ao segundo jogo da final, na Arena da Fonte Luminosa, em Araraquara, o XV de Piracicaba viveu seu momento mais delicado na Copa Paulista no início da segunda fase da competição. Após duas partidas, incluindo o tropeço em casa frente ao São Carlos, o time piracicabano se recuperou e embalou para o título. Os quatro pontos conquistados contra o Penapolense, a vitória em São Carlos e o crucial triunfo ante o Água Santa levaram o Nhô Quim à liderança, situação que rendeu aos comandados de Cléber Gaúcho a vantagem do empate frente ao Votuporanguense nas quartas de final – e foi exatamente essa vantagem que classificou a equipe entre as quatro melhores do torneio.

24/09 – ÁGUA SANTA 1×1 XV DE PIRACICABA

O XV de Piracicaba empatou por 1×1 contra o Água Santa, pela primeira rodada da segunda fase da Copa Paulista. A equipe de Diadema abriu o placar ainda no primeiro tempo com Genílson, em lance que contou com a colaboração do goleiro Mateus Pasinato. Na etapa complementar, Barreto, que havia substituído Gilsinho, deixou tudo igual no estádio Distrital Itamar. O ponto conquistado fora de casa manteve viva a meta estabelecida pelo técnico Cléber Gaúcho de fechar o turno com sete pontos. A notícia triste veio do departamento médico: o zagueiro Doni teria de passar por uma cirurgia no joelho.

28/09 – XV DE PIRACICABA 1×1 SÃO CARLOS 

A luz amarela acendeu no Barão da Serra Negra pela primeira vez. Nas contas de Cléber Gaúcho, o XV de Piracicaba teria de encerrar o primeiro turno da segunda fase da Copa Paulista com sete pontos. Após o jogo, o treinador, que admitiu a atuação abaixo da crítica, teve de refazer o cálculo. Jogando mal, o time piracicabano tropeçou em casa e empatou por 1×1 contra o São Carlos, chegando a dois pontos na terceira colocação do Grupo 5. Os visitantes abriram o placar no início da partida com Alexandre após falha de Lucas Cunha, mas Rafael Gomes deixou tudo igual antes do intervalo.

01/10 – XV DE PIRACICABA 1×0 PENAPOLENSE

O XV de Piracicaba venceu o Penapolense por 1×0, no estádio Barão da Serra Negra, em duelo válido pela terceira rodada da segunda fase da Copa Paulista. O único gol da partida foi anotado pelo atacante Romarinho, em cobrança de pênalti sofrido por Fraga, ainda no primeiro tempo – na etapa final, Fraga foi expulso após fazer cera. Com o resultado, o time comandado pelo técnico Cléber Gaúcho chegou aos cinco pontos e assumiu provisoriamente a liderança do Grupo 5. O confronto marcou o retorno do ídolo André Cunha ao estádio Barão da Serra Negra – o meia foi bastante aplaudido pelos torcedores.

08/10 – PENAPOLENSE 1×1 XV DE PIRACICABA

O XV de Piracicaba continuaria dependendo da própria força para chegar às quartas de final da Copa Paulista. Com um gol do polivalente Zé Mateus no segundo tempo, o time piracicabano arrancou o empate por 1×1 em Penápolis, contra o Penapolense, pela quarta rodada da segunda fase. O resultado manteve o Alvinegro na segunda colocação do Grupo 5, com seis pontos, dois a mais que o Penapolense e quatro atrás do São Carlos, líder da chave e seguinte adversário. A diretoria anunciou as chegadas dos dois últimos reforços: o meio-campista Rubens Firmino e o retorno do lateral-esquerdo Lucas Pavone.

12/10 – SÃO CARLOS 0x1 XV DE PIRACICABA

O XV de Piracicaba estava classificado para as quartas de final da Copa Paulista. Com um gol do artilheiro Rafael Gomes, o Nhô Quim venceu o São Carlos por 1×0 no feriado de Nossa Senhora Aparecida, padroeira do Brasil, fora de casa, e chegou aos nove pontos, um a menos que o próprio São Carlos, então líder do Grupo 5. As duas equipes não podiam mais ser alcançadas pelo Penapolense, que tinha cinco. Na última rodada, o Alvinegro receberia o Água Santa, no estádio Barão da Serra Negra. Além de vencer, o time piracicabano precisaria de um tropeço do São Carlos contra a equipe de Penápolis para ser líder. E não é que deu certo?

16/10 – XV DE PIRACICABA 1×0 ÁGUA SANTA

O XV de Piracicaba venceu o Água Santa por 1×0, no estádio Barão da Serra Negra. Com o resultado, combinado com a derrota do São Carlos para o Penapolense, o time piracicabano encerrou a segunda fase da Copa Paulista na liderança do Grupo 5, com 12 pontos. Nas quartas de final, o adversário do Alvinegro seria o Votuporanguense. Além de fazer o jogo de volta em casa, o time piracicabano teria a vantagem do empate, que resultaria decisiva para a classificação às semifinais. Preocupado com a euforia dos torcedores, o técnico Cléber Gaúcho decidiu fechar o treino pela primeira vez.

QUARTAS DE FINAL

22/10 – VOTUPORANGUENSE 0x1 XV DE PIRACICABA

O XV de Piracicaba deu um passo muito importante para avançar às semifinais da Copa Paulista. Jogando fora de casa, o Alvinegro derrotou o Votuporanguense por 1×0, na Arena Plinio Marin. O único gol do jogo de ida das quartas de final foi marcado pelo atacante Romarinho, aos 49min do segundo tempo. Com o resultado, o time piracicabano poderia até perder por um gol de diferença na partida de volta que ainda assim estaria entre os quatro melhores times da competição estadual. O goleiro Mateus Pasinato voltou a reforçar o discurso de pés no chão e pediu cuidado ao elenco.

28/09 – XV DE PIRACICABA 0x1 VOTUPORANGUENSE

Foi um sufoco, mas o XV de Piracicaba estava classificado para a semifinal da Copa Paulista. Com mais de 5.000 pessoas no estádio Barão da Serra Negra, o Nhô Quim perdeu para o Votuporanguense por 1×0, mas, como havia vencido em Votuporanga pela contagem mínima e jogava pelo empate na soma dos resultados, garantiu a classificação. Na próxima fase, o time piracicabano pegaria o vencedor do confronto entre Rio Claro e São Carlos. Foi a terceira vez que o técnico Cléber Gaúcho levou o Alvinegro às semifinais da competição estadual – nas duas campanhas anteriores, em 2013 e 2014, o XV não chegou à decisão.

SEMIFINAIS

04/11 – XV DE PIRACICABA 1×0 RIO CLARO

Sai, zica! Um golaço do lateral Zé Mateus na metade do segundo tempo, em cobrança de falta perfeita, colocou o XV de Piracicaba em vantagem na briga por uma vaga na decisão da Copa Paulista. Jogando no Barão da Serra Negra com mais de 5.000 torcedores, o time piracicabano venceu o Rio Claro por 1×0 e saiu na frente nas semifinais. Para chegar à final e se classificar pelo menos para a Copa do Brasil, o Nhô Quim precisaria de um empate. O resultado também acabava com o jejum de vitórias do Alvinegro contra a equipe da Cidade Azul, treinada pelo ex-quinzista Sérgio Guedes, que não perdia em Piracicaba desde 2004.

13/11 – RIO CLARO 1×2 XV DE PIRACICABA

O XV de Piracicaba chegava à decisão da Copa Paulista. E como não poderia ser diferente, a vaga veio com sofrimento, mas também com vitória: podendo empatar, o time piracicabano sofreu o gol na reta final do segundo tempo e encontrou forças para virar e vencer o jogo contra o Rio Claro por 2×1, no estádio Augusto Schmidt Filho, em Rio Claro. Rafael Gomes e Rodolfo foram os autores dos gols – importante destacar o papel do goleiro Mateus Pasinato, perfeito durante os 90 minutos. De quebra, o XV garantiu o retorno às competições nacionais após 13 anos: jogaria a Copa do Brasil ou a Série D do Brasileiro.

DECISÃO

19/11 – XV DE PIRACICABA 2×0 FERROVIÁRIA

Com dois gols do artilheiro Rafael Gomes, atuação coletiva sólida e empurrado por cerca de 11 mil pessoas nas arquibancadas, o XV de Piracicaba venceu a Ferroviária por 2×0, no estádio Barão da Serra Negra, e abriu ótima vantagem na decisão da Copa Paulista. O resultado foi construído com um gol em cada tempo. No jogo de volta, na Arena da Fonte Luminosa, em Araraquara, o Alvinegro poderia perder por um gol de diferença para ficar com a taça – e a vaga na Série D do Brasileiro. Vitória da Ferrinha por dois gols de vantagem levaria a decisão para os pênaltis. Nos bastidores, uma dúvida: Clayton, com casamento marcado, virou dúvida para o segundo jogo.

26/11 – FERROVIÁRIA 3×1 XV DE PIRACICABA

Enfim, a glória. Com sofrimento e mais de 2.500 fiéis acompanhando o jogo em Araraquara, o XV de Piracicaba se sagrava campeão da Copa Paulista 2016 e vai jogar a Série D do Campeonato Brasileiro, em 2017. E foi preciso esperar até os pênaltis para o torcedor soltar o grito. Após uma dura derrota nos 90 minutos, quando a Ferroviária venceu por 3×1, o Alvinegro levou a disputa para as penalidades. Foi aí que brilhou a estrela de Mateus Pasinato, que defendeu duas cobranças e garantiu o título. A festa estava completa em Piracicaba.

Início