Aikidô

Uma semana para lançar a ‘semente’ da arte

Aiki Week começa na próxima segunda-feira e abre as portas para comunidade

CAMILA PIRILLO, MARCEL BARBIERI E FERNANDO CANETTO
Camila Pirillo, Marcel Barbieri e Fernando Canetto: vivência varia conforme a dedicação (Foto: Líder Esportes)

A Escola Aiki Kaizen de Piracicaba realiza a partir da próxima segunda-feira (24) o Aiki Week, semana de vivência no aikidô que inclui aulas e atividades fora do tatame, como cinema, desenho, manuseio de plantas e origami, além da tradicional faxina que encerra o cronograma. O evento terá aulas ministradas por professores locais e convidados das seguintes escolas: Áquila de Piracicaba, Aiki Kaizen de Campos de Holambra, Aiki Kaizen de Águas de São Pedro, Aiki Kaizen de Limeira, Aiki Kaizen de Presidente Prudente, Aiki Kaizen de Rio Claro, Aikido Nishiyama de Cotia, Aikido Keiko Dojo de São Carlos, Senshin Dojo de Campinas e Tomodachi Dojo de Americana.

Com a expectativa de receber cerca de 150 pessoas ao longo da semana, o Aiki Week também tem caráter social: os participantes terão de contribuir com a doação de um brinquedo que será entregue a crianças carentes no Natal. Para participar, não é necessário ser praticante. O convite é aberto à comunidade. “É uma troca de experiências, oportunidade de conhecer outras pessoas”, explicou o engenheiro elétrico Fernando Canetto da Silva, 40, que conheceu a arte marcial por conta do filho, Igor, de 11 anos.

‘SEMENTE’

“Eu trouxe meu filho por indicação médica. Ele treina há dois anos e percebi que aqui o ambiente é familiar. Foi meu filho que me incentivou a vir para cá. O Aiki Week permite que as pessoas venham conhecer, tenham contato e saibam o que é e qual a estrutura do aikidô”, disse. A ideia de inclusão é reforçada pelo advogado Marcel Eduardo Barbieri, 38, faixa preta que irá ministrar aula pelo segundo ano consecutivo. “O aikidô é para todas as idades, sem restrições. Na semana, cada pessoa tem seu momento de participação, conforme a possibilidade de dedicação de cada um. Cada um traz um pouco de si e todos saem com novas experiências. A ideia é plantar a semente”, afirmou.

A semente, aliás, foi plantada na família da empresária Camila Pirillo, 28, que entre idas e vindas, acumula quase dez anos no dojo. “Meu filho tem 4 anos, não treina ainda. Ele veio para assistir filme, brincou, se divertiu e aprendeu um pouquinho do aikidô. Agora, ele me pergunta quando vai começar a praticar. É tão bacana que vale a pena conhecer o espírito da arte”, disse. “É uma semana de atividades para vivenciar o aikidô não apenas como atividade física, mas a filosofia do dia-a-dia”, completou a empresária.

Início