Futebol

Tragédia anunciada: XV rebaixado para Série A2

Nem kamikaze, nem 'reza brava' adiantaram; time cai sem cota no Paulistão

Daniel Damião, lateral-direito do XV de Piracicaba
Daniel Damião lamenta: XV de Piracicaba rebaixado para a Série A2 (Foto: Mauricio Bento/Líder Esportes)

O XV de Piracicaba está rebaixado para a Série A2 do Campeonato Paulista. O empate por 1×1 neste domingo (10), em Itápolis, apenas consolidou aquilo que ficou claro em toda a competição estadual – campanha vexatória, a quarta pior na classificação geral. O Oeste abriu o placar com Mazinho ainda no primeiro tempo e o Nhô Quim deixou tudo igual na última bola do jogo com o zagueiro Oswaldo – antes, Rivaldinho havia desperdiçado uma cobrança de pênalti. Além de não escapar da degola, o XV também não conseguiu garantir a cota da TV para 2017, destinada ao 15º e 16º colocados no Paulistão. O Alvinegro caiu em 17º lugar.

Mesmo no banco, o lateral Thiago Carleto foi expulso em Itápolis

Luiz Carlos Ferreira pediu oração, prometeu ataque kamikaze e, na prática, fez besteira. O treinador testou 3-5-2, mas escalou o time titular com Clayton, Adriano Ferreira, Henrique Santos e Diney no meio-campo. Aloísio e Gerson Magrão não foram sequer relacionados. Deu errado, evidentemente. Já rebaixado, o Oeste deu um baile no primeiro tempo. Marcelinho Paraíba e Mazinho deitaram e rolaram contra o time piracicabano – mais desorganizado em Itápolis do que com Narciso, acredite se quiser.

O que estava ruim ficou pior aos 21min. Mazinho fez o que quis pelo lado direito do ataque, encontrou espaço e chutou sem força, mas Bruno Brígido engoliu um frango: 1×0 Oeste. Não dá para dizer que o XV de Piracicaba acusou o golpe; a equipe não jogou bem um minuto sequer. Luiz Carlos Ferreira deu outra prova de que estava perdido e mexeu pela primeira vez. Adriano Ferreira saiu de campo discutindo com o técnico para a entrada de Celsinho.

O panorama continuou o mesmo: após lance trabalhado entre Marcelinho Paraíba e Maurinho, Bruno Brígido se redimiu e evitou o segundo gol da equipe de Itápolis. No intervalo, todos os resultados ajudavam – Água Santa, Botafogo, Ferroviária e Mogi Mirim empatavam naquela altura. Mas o XV de Piracicaba não fazia a própria parte; com a derrota, o Nhô Quim foi para o vestiário com em 18º lugar, rebaixado e sem cota para o ano seguinte.

Ferreirão não mudou no intervalo, mas substituiu um lateral pelo outro aos 10min: Thiago Carleto foi sacado e Julinho foi para o jogo. Na prática, não adiantou nada. O Oeste estava mais próximo do segundo gol do que o XV de Piracicaba do empate – Marcelinho Paraíba acertou a trave em cobrança direta de escanteio, que ainda teve o desvio de Bruno Brígido. Ferreirão mexeu pela terceira vez e depositou as últimas fichas em Rivaldinho, substituto de Rodrigo Silva, talvez a maior decepção entre os reforços contratados pela diretoria – o camisa 9 veio com fama de artilheiro e foi embora sem marcar um gol sequer.

INCOMPETÊNCIA

O que estava ruim ficou ainda pior com a notícia que veio de Ribeirão Preto: Samuel Santos colocou o Botafogo em vantagem contra o Capivariano. A luz no fim do túnel apareceu em Itápolis com um pênalti sofrido por Fabinho e a expulsão do zagueiro Brinner, do Oeste. Naquela altura, a vitória também não adiantava para o time piracicabano; afinal, Linense e Ferroviária empatavam em Lins. O certificado de incompetência foi assinado por Rivaldinho, que telegrafou a cobrança de pênalti e viu Fábio defender sem dificuldade.

Nos minutos finais, Henrique Santos perdeu a cabeça e foi expulso após discutir com Maurinho. Heitor acertou a trave e Oswaldo empatou aos 50min, mas já não havia tempo para qualquer reação. A vitória do Botafogo, combinada com o empate da Ferroviária, rebaixariam o time piracicabano mesmo com o resultado positivo. Três vitórias em 15 partidas, segundo pior ataque da competição e incontáveis erros cometidos antes de chegar a Itápolis. Tragédia anunciada.

FICHA TÉCNICA

Oeste Futebol Clube

1  OESTE

Fábio; Léo Príncipe, Brinner, Daniel Gigante e Fernandinho; Elivelton (Leandro Mello), Renan Mota, Betinho (Dionísio) e Marcelinho Paraíba; Mazinho (Guilherme Amorim) e Maurinho. Técnico: Serjão

Esporte Clube XV de Piracicaba

1  XV DE PIRACICABA

Bruno Brígido; Daniel Damião, Oswaldo, Heitor e Thiago Carleto (Julinho); Clayton, Adriano Ferreira (Celsinho), Henrique Santos e Diney; Fabinho e Rodrigo Silva (Rivaldinho). Técnico: Luiz Carlos Ferreira

Gol: Mazinho (OES) aos 21min/1ºT; Oswaldo (XV) aos 50min/2ºT| Árbitro: Marcelo Aparecido Ribeiro de Souza | Cartões amarelos: Renan Mota, Marcelinho Paraíba e Brinner (OES); Daniel Damião (XV) | Cartão vermelho: Brinner (OES); Thiago Carleto e Henrique Santos (XV) | Público: 5.326 pagantes | Renda: R$ 28.300,00

Início