Futebol

Torcedores cobram Piza na saída do vestiário

Pressionado no cargo, treinador é questionado após empate em Taubaté

Torcida Uniformizada Esquadrão
A torcida do XV de Piracicaba está insatisfeita com o futebol apresentado (Foto: Mauricio Bento/Líder Esportes)

O empate com o Taubaté por 1×1 neste sábado (10), pela sexta rodada do Campeonato Paulista da Série A2, acabou com a paciência dos torcedores do XV de Piracicaba. Apesar do futebol não convincente apresentado no estádio Joaquim de Moraes Filho, o Alvinegro derrotava o Burro da Central com um gol de Jobinho, mas cedeu o empate aos 45min do segundo tempo. Após o jogo, um grupo com cerca de dez torcedores protestou de forma pacífica na saída do vestiário. O alvo principal foi o técnico Evaristo Piza.

O volante Guly foi o primeiro a deixar o vestiário, seguido pelo restante do elenco. Ao sair do estádio, com os atletas no ônibus da delegação, Piza aceitou o pedido dos torcedores para conversar. Na sequência, chegaram o presidente do clube, Celso Christofoletti, e o gestor de futebol, Beto Souza. Pouco depois, os atletas desceram do ônibus e se posicionaram atrás do treinador. De acordo com os torcedores que participaram da reunião, o goleiro Samuel Pires ‘puxou’ Piza e pediu para ele entrar no ônibus, o que esquentou o clima.

“A conversa foi sadia e com muita cautela com as palavras. Foi legal a atitude do Piza de ir conversar conosco […] infelizmente, o goleiro Samuel não estava feliz com a situação, criou um tumulto  […] abraçou o Piza e pediu para ele sair da conversa, em tom de ‘não vale a pena discutir com a torcida’. […] o Celso (presidente), para apaziguar a situação, pediu calma. A atitude dele (Samuel Pires) não foi nada legal…”, escreveu um torcedor em um grupo dedicado ao clube nas redes sociais, que conta com mais de 4.500 membros.

A reportagem entrou em contato com três pessoas que participaram do episódio. “A primeira pergunta que a torcida fez ao Piza foi sobre a postura do time em Taubaté. Ele respondeu que um ponto fora de casa não é ruim, que se tivesse feito o segundo gol a história poderia ser diferente e que o resultado foi natural, porque o Taubaté vinha de três derrotas e precisava ganhar. O XV não ‘jogou a toalha’, dá para ver que há entrega, mas parece que a direção não enxerga a realidade”, relatou um torcedor.

“No final da conversa, o Beto (Souza, gestor de futebol) interrompeu e tentou criar um clima de empolgação, dizendo que o XV vai a Campinas para ganhar. Depois, o pessoal começou a aplaudir e cada um foi para o seu lado. O que nós esperamos é o mesmo retorno dos ‘caras’. Eles estão tristes, mas não estão decepcionados como nós pelo que vem sendo feito no campeonato”, completou. Nono colocado com oito pontos, o XV de Piracicaba volta a campo na próxima quarta-feira (14), quando enfrenta o Guarani, às 20h, no estádio Brinco de Ouro da Princesa, em Campinas.

Início