Opinião

Time pipoqueiro

*Capa: Mauricio Bento/Líder Esportes/Orientec

Não há outra forma de definir a postura do XV de Piracicaba dentro de campo. O time é pipoqueiro. Individualmente, alguns jogadores não merecem o rótulo, honram a camisa, mas, em um esporte coletivo, os bons acabam pagando os pecados dos maus. Coletivamente, o XV é horroroso, só joga na base do ‘bumba-meu-boi’, falta personalidade e principalmente qualidade à equipe.

O time começou a se mostrar pipoqueiro desde a final da Copa Paulista, em Araraquara. O gol de Rodrigo e as defesas de Mateus renderam o título e apagaram da memória o que foi o jogo, o quanto o elenco precisava evoluir para jogar a Série A2 do Paulista. Jogadores que não conseguem jogar sob pressão, que as pernas tremem na hora que o ‘bicho pega’. Um time que não consegue segurar a vitória até o último minuto de jogo. Um time que entra em campo totalmente desligado e sem tesão nenhum de jogar futebol.

O Alvinegro está lutando contra o rebaixamento e tem jogador querendo fazer jogadinha bonita, sair tabelando dentro da área, comportamento típico de juvenil. Série A2 é bola para o mato, é sangue nos olhos, é dividida de sola, é espírito de guerreiro. Não é para ser violento ou desleal, é para encarar a competição como ela deve ser encarada. Falta um ‘bad boy’. Um cara que cobre, que berre no ouvido do outro para acordar, que contagie com seu espírito vencedor.

O XV não tem malícia, não sabe jogar o jogo, não entendeu a real dimensão da competição que disputa. Jogadores que não sabem a diferença de Fair Play e ser feito de bobo pelo adversário, de jogar o jogo deles. O esquema de jogo é moderno, mas o futebolzinho é de pelada com os amigos. Quis o destino que outras equipes conseguissem ser tão incompetentes quanto o XV, fato que ainda permite o time sonhar com a permanência na divisão. É preciso vencer os dois próximos jogos. Por mais que a revolta seja grande, será necessário apoio nas arquibancadas.

Se o objetivo for alcançado, espero não ouvir gritos da torcida chamando o time de guerreiro. Pouquíssimos jogadores são guerreiros, mas o time em geral não é. Os salários estão em dia, a refeição é de primeira, a estrutura dada aos jogadores é superior a de muitos times no Brasil, mas o XV não consegue jogar bola. Falta vergonha na cara. Não sendo rebaixado, o melhor a se fazer é abaixar a cabeça e entrar nos vestiários. Não tem que ir ao alambrado para comemorar com a torcida. O XV passará na vida de vocês, será mais um clube em que trabalhou. A dor ficará para o torcedor. Esse time, que hoje veste a camisa zebrada, não merece a torcida que tem.

Marcelo Sá é radialista e jornalista na Rádio Jovem Pan News Piracicaba

Início