Futebol

‘Temos que mudar a chave’, diz Claudinho Batista

Elenco receberá suporte psicológico; jogadores não falam na reapresentação

Julinho, lateral-esquerdo do XV de Piracicaba
O lateral Julinho, durante o treino desta terça-feira: jogadores em silêncio (Foto: Líder Esportes)

O elenco do XV de Piracicaba decidiu não conversar com a imprensa na tarde desta terça-feira (2), data que marcou a volta ao trabalho após a estreia com derrota para o Corinthians no Campeonato Paulista. O pedido de silêncio foi solicitado pelos jogadores, para evitar o ‘caso Canavarros’ – o lateral-direito teve sua morte cerebral confirmada na manhã de ontem.

LÍDER acompanhou a reapresentação do elenco no estádio Barão da Serra Negra antes do grupo seguir para o treino, realizado no CT (Centro de Treinamento) XV Raízen. Cabisbaixos, alguns jogadores se limitaram a responder com um sinal de polegar para baixo ao serem questionados sobre o estado de ânimo do  plantel. “Temos que respeitar o combinado pelos atletas. O momento é difícil, o elenco ontem (1) estava com a cabeça muito baixa, alguns atletas choraram. Mas temos de assimilar isso. O Canavarros está lá em cima torcendo por nós”, disse o diretor de futebol e vice-presidente do clube, Renato Bonfíglio.

O técnico Claudinho Batista foi o único que aceitou conceder entrevista. O treinador admitiu mais uma vez que sofreu muito com a notícia da morte de Canavarros. “Pedimos muito a Deus para que ele pudesse sair vivo, mas sabíamos que o quadro era complicadíssimo. O grupo sofreu muito. Para quem não sabe, quase todos os atletas do XV moram no mesmo flat, isso aproxima muito. Fora os agravantes: esposa grávida, os pais dele… Por enquanto, não conseguimos entender a explicação para isso, mas daqui a pouco Deus vai nos mostrar”, afirmou.

PSICOLOGIA

Claudinho disse não acreditar na possibilidade que a morte do lateral ‘motive’ o elenco. Para ele, o caminho a ser seguido é outro. “Não vejo como fazer dessa situação um ‘algo a mais’. Na naturalidade do trabalho, se eu não estiver motivado, eu não sou um cara feliz. E usar isso como motivação… Não é por aí. De qualquer forma, temos que desligar a chave de todo o acontecimento e ligar a chave do nosso compromisso com o XV”, declarou. O treinador também confirmou que o psicólogo José Luis Montejano vai dar um suporte ao elenco nesta semana.

O adiamento da partida contra o Rio Claro será aproveitado pelo técnico não apenas para colocar a cabeça de seus jogadores em ordem, mas também para fazer ajustes no aspecto tático – nesta quinta-feira (4), o XV realizará um jogo-treino contra o União Barbarense, às 16h, em Santa Bárbara d’Oeste. “Nós precisamos (de um suporte psicológico), sempre gostei disso. Quanto à mudança do jogo com o Rio Claro, acho que foi uma decisão humana, seria muito difícil unir forças agora. Precisamos estar mais organizados para a sequência do campeonato e vamos aproveitar o tempo para isso”, completou Claudinho.

Início