Karatê

Sport Way estreia no Campeonato Paulista

Após Estadual, Natalia e Hernani viajam para disputar Aberto da Holanda

Natalia Brozulatto e Hernani Veríssimo, atletas da equipe de karatê Sport Way
Natalia Brozulatto e Hernani Veríssimo, atletas da equipe de karatê Sport Way (Foto: Arquivo/Líder Esportes)

A equipe piracicabana de karatê estreia na temporada 2017 no próximo sábado (11), em Praia Grande, pela segunda etapa classificatória do Campeonato Paulista. O grupo comandado pelo técnico Diego Spigolon embarca para o litoral com sete atletas: Deivid Cavalcante (categoria sênior, -67 kg), Frederico Felipe (júnior, -55 kg), Helio Oliveira (sênior, +84 kg), Hernani Veríssimo (sênior, – 75 kg), Maria Eliza (sub-21 e sênior, -55 kg), Nadia Borges (júnior, +59 kg) e Natalia Brozulatto (sênior, -68 kg).

A etapa em Praia Grande é a segunda das cinco classificatórias para a final, que acontece em maio, ainda sem local definido. A cada rodada, oito atletas se classificam para a decisão em cada categoria. “A expectativa é boa e nós acreditamos que todos os atletas têm potencial para se classificar para a final nesta etapa. Evidentemente, existe uma cobrança e uma expectativa maior em relação aos atletas com mais experiência e bagagem internacional”, afirmou Spigolon, técnico da equipe Sport Way/Selam/AFPMP/JF Comercial/Onodera/Apreciate/Punok/Sorvetes Noblita.

LIGA MUNDIAL

O Campeonato Paulista será especialmente importante para Hernani e Natalia. No domingo (12), a dupla embarca para Rotterdam, onde disputa a etapa da Holanda da Liga Mundial, evento que reúne os melhores lutadores do mundo. Natalia, porém, tem uma motivação especial antes de viajar para a Europa: ela nunca conquistou o Paulista, competição que não participa desde 2008. “É um título que eu tenho vontade de colocar no meu currículo e que ainda falta pelas circunstâncias que eu vivi. Eu me cobro pela medalha de ouro, adquirir ritmo e confiança”, afirmou.

Para Hernani, a etapa de Rotterdam significará a estreia na Liga Mundial fora do país. Para Diego Spigolon, o atleta não deve sentir o peso. “O Hernani esteve conosco no Mundial, ele já viu todo mundo de perto, conheceu os ídolos. Isso vai ajudar, não vai ficar ‘boquiaberto’ com a situação. O fato de ter competido e vencido o Tom Scott (americano vice-líder do ranking mundial) também traz uma sensação de que é possível chegar bem. É claro que isso depende do chaveamento, não dá para colocar uma pressão muito grande. Vamos pensar luta a luta, sem ansiedade”, completou.

Início