Futebol

Sofrido, como sempre: XV é campeão nos pênaltis

Mateus Pasinato falha no tempo normal, pega dois pênaltis e XV está na Série D

XV de Piracicaba, campeão da Copa Paulista
Nos pênaltis, o XV ficou com a taça: Alvinegro é campeão e vai jogar a Série D (Foto: Alexandre Battibugli/FPF)

O XV de Piracicaba é campeão da Copa Paulista 2016 e vai jogar a Série D do Campeonato Brasileiro, em 2017. E foi preciso esperar até os pênaltis para o torcedor soltar o grito. Após uma dura derrota nos 90 minutos, quando a Ferroviária foi claramente superior e venceu por 3×1, com dois gols em menos de sete minutos, um deles com falha de Mateus Pasinato, o Alvinegro encontrou forças para reagir, descontou com Rodrigo e levou a disputa para as penalidades. Foi aí que brilhou a estrela de Mateus Pasinato, que defendeu duas cobranças e garantiu o título. A festa não tem hora para acabar em Piracicaba.

Cléber Gaúcho repetiu a escalação habitual, mas não deu tempo sequer de tentar segurar a vantagem construída no Barão da Serra Negra. O campo encharcado pelo temporal que atingiu Araraquara poderia deixar o jogo trucado, mas a Ferroviária não precisou sequer de dez minutos para colocar ‘fogo’ na Arena da Fonte Luminosa. Aos 2min, o meia Kelvy teve liberdade apara arriscar o chute da entrada da área, a bola desviou no atacante Fabrício e enganou Mateus Pasinato, que ficou vendido no lance: 1×0.

Nos pênaltis, brilhou a estrela de Mateus Pasinato: duas defesas que colocam o XV na Série D em 2017

O XV não conseguiu digerir o gol. Cinco minutos depois, após bola disputada pelo alto, Bruno Lopes brigou entre os zagueiros e ficou com ela para encher o pé em cima de Mateus Pasinato, que falhou feio e viu a bola passar por baixo: 2×0. O segundo gol destruiu qualquer estratégia desenhada por Cléber Gaúcho. A equipe só foi se encontrar em campo após a marca de 15min e incomodou o goleiro Matheus pela primeira vez aos 18, quando Romarinho inverteu o lado com Samoel Pizzi e fez jogada individual pela esquerda, limpou a marcação e concluiu cruzado para intervenção segura do camisa 1.

A Ferroviária não tinha mais a necessidade de se expor e atacava com mais consciência. Aos 27min, Élder Santana subiu ao ataque para a cobrança de escanteio e quase marcou o terceiro gol de cabeça, mas, desta vez, Mateus Pasinato conseguiu espalmar pela linha de fundo. O XV estava perdido em campo. A equipe de Araraquara percebeu isso e tentou o terceiro gol antes do intervalo, mas esbarrou em Mateus Pasinato aos 46min. Na bola aérea, a Ferroviária causava calafrios nos torcedores quinzistas.

Ferroviária 3x1 XV de Piracicaba

Kelvy marcou o primeiro gol do jogo aos 2min, mas errou um pênalti (Foto: Leonardo Fermiano/AFE)

No último lance do primeiro tempo, Élder Santana ganhou de Rodrigo e cabeceou para baixo, exigindo defesa complicada do camisa 1. O apito final soou como alívio para Cléber Gaúcho. Nos vestiários, o treinador mexeu: apagado, Barreto saiu para a entrada de Gilsinho. A volta para o segundo tempo veio com outro susto: aos 3min, William Cordeiro escapou pela direita e cruzou para o centro. Na tentativa de cortar, Lucas Cunha quase fez contra. Quatro minutos mais tarde, Élder Santana entortou a marcação e carimbou o travessão de Mateus Pasinato.

Mesmo sem fazer sua melhor partida, o zagueiro Rodrigo fez o gol que salvou o XV no tempo regulamentar

Pelo lado do XV, foram apenas duas jogadas agudas em cobrança de falta de Zé Mateus. Atrás, a vulnerabilidade da equipe ficou explícita: segura ao longo da competição, a dupla de zaga Lucas Cunha e Rodrigo estava irreconhecível. O terceiro gol da Locomotiva parecia questão de tempo – e foi mesmo. Aos 21min, William Cordeiro cobrou falta esquinada e o lateral Zé Mateus desviou contra para o fundo da rede: 3×0. O gol dava o título para a Ferrinha, mas a equipe de Araraquara queria mais. Inflamada, a Ferroviária desperdiçou duas ótimas chances de marcar pela quarta vez nos dois minutos seguintes com Felipe Silva.

Ao Alvinegro, restava partir para o ataque em busca do gol que levaria a decisão para os pênaltis. Cléber Gaúcho queimou a segunda substituição com Bruninho na vaga do volante Maranhão. Longe de jogar o que pode, o XV encontrou o gol. No escanteio batido por Romarinho, Rodrigo subiu mais alto que todo mundo e desviou no primeiro poste para vencer Matheus: 3×1. O gol recolocou o Nhô Quim no jogo, que poderia ficar trucado, porém, ninguém queria saber de decisão por pênaltis. Na terceira troca, Cléber Gaúcho deu prioridade para a experiência: Lucas Pavone por Samuel na lateral esquerda. Apesar das tentativas dos dois lados, a taça foi mesmo decidida nos pênaltis.

PÊNALTIS

William Cordeiro abriu a série para a Ferroviária e converteu a cobrança, mas Rafael Gomes deixou tudo igual. Autor do primeiro gol com bola rolando, Kelvy não teve a mesma sorte nos pênaltis: Mateus Pasinato agarrou no canto direito. Na cobrança seguinte, Romarinho colocou o Alvinegro na frente: 2×1. Bruno Lopes foi o terceiro a cobrar para a Locomotiva e equilibrou o placar, logo desempatado por Samoel Pizzi com suspense – Matheus tocou a bola, que ainda bateu na trave antes de entrar. Na quarta cobrança, Mateus Pasinato pegou de novo, desta vez, no chute de Felipe Silva. Coube então a Rodrigo marcar o gol do título – e ele não desperdiçou. XV de Piracicaba, campeão da Copa Paulista 2016.

FICHA TÉCNICA

Associação Ferroviária de Esportes

3 (2)  FERROVIÁRIA

Matheus; William Cordeiro, Patrick, Raniele e Sávio; Rafael Castro, Élder Santana (João Lucas), Fábio Souza e Kelvy; Fabrício (Felipe Silva) e Bruno Lopes. Técnico: Antonio Picoli

Esporte Clube XV de Piracicaba

1 (4) XV DE PIRACICABA

Mateus Pasinato; Zé Mateus, Rodrigo, Lucas Cunha e Samuel (Lucas Pavone); Maranhão (Bruninho), Clayton e Barreto (Gilsinho); Samoel Pizzi, Rafael Gomes e Romarinho. Técnico: Cléber Gaúcho

Gols: Kelvy (FER) aos 2min, Bruno Lopes (FER) aos 7min/1ºT; Zé Mateus (FER/contra) aos 21min, Rodrigo (XV) aos 28min/2ºT | Árbitro: Raphael Claus | Cartões amarelos: Fábio Souza (FER); Clayton e Maranhão (XV) | Público:  10.207 pagantes | Renda: R$ 108.695,00

Início