Natação

‘Sem pressão’, Luisa prioriza Troféu Maria Lenk

Nadadora piracicabana atingirá o auge em 2020, mas não descarta a Rio-2016

Luisa Braga, nadadora do Clube de Campo de Piracicaba
Campeã de 'tudo' nas categorias de base, Luisa Braga quer repetir êxito no absoluto (Foto: Líder Esportes)

Com o foco voltado para o Troféu Maria Lenk, última seletiva para a Olimpíada, a piracicabana Luisa Braga nada livre de pressão, mas não esconde que ainda tem esperanças de disputar os Jogos Olímpicos no Brasil. Aos 17 anos, a atleta do CCP/CLQ (Clube de Campo de Piracicaba) sabe que atingirá o ápice em 2020, conforme planejamento traçado pelo técnico Reinaldo Rosa. Em pré-temporada há um mês, Luisa quer estar preparada para a competição classificatória, que acontece entre os dias 15 a 20 de abril na piscina olímpica do Rio de Janeiro.

Reinaldo Rosa enxerga o Troféu Maria Lenk deste ano como um estímulo para Luisa

Especialista nas provas de 400 e 800 metros crawl, a nadadora disse nesta quinta-feira (4) em entrevista ao LÍDER que já treina em ritmo forte. “Estamos trabalhando em bom nível, adaptados após as férias. O foco é sim o Maria Lenk, que por ser a última seletiva olímpica, será uma competição muito forte. Estou tranquila, tenho uma equipe bem legal. Além do Reinado, estou recebendo suporte de um preparador físico, médico e psicólogo”, comentou a atleta.

Campeã paulista e brasileira em todas as categorias de base, Luisa sabe que encontrará dificuldades para chegar aos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro. “Esperança tenho sempre, treino para isso. Mas sei também que o foco é a Olimpíada de 2020 (Tóquio). Até o ano passado, consegui ganhar tudo o que podia e fiz parte de todas as seleções de base. O foco agora são os campeonatos absolutos (adulto)”, afirmou. Questionada sobre os ‘sacrifícios’ que o esporte alto rendimento exige, a nadadora diz não se importar. “Não consigo sair muito, na verdade quase nunca (risos). Mas o que eu gosto de fazer é nadar, meu objetivo é a natação e tenho consciência disso. Não chega a ser um sacrifício”.

PLANEJAMENTO

Reinaldo Rosa enxerga o Troféu Maria Lenk como um estímulo para Luisa. Minucioso, o treinador afirma que o momento, no entanto, é de trabalhar o condicionamento. “A fase agora é de construir uma base aeróbica, alternando estilos para que eles (nadadores da equipe) tenham um condicionamento mais eficiente. Vamos manter isso para melhorar a eficiência cardiovascular, colocando estímulos de velocidade. O condicionamento ainda não é o ideal, mas a exigência vai aumentando”, afirmou.

O técnico acompanha a evolução de Luisa desde que a atleta tinha 9 anos e faz questão de ressaltar o potencial da nadadora. A única preocupação é com a ansiedade. “A Luisa teve grandes resultados nos últimos dois anos. Depois, sentamos e conversamos, pois ela estava muito ansiosa por uma Olimpíada em casa, mas falei para ela que estará no ápice da performance em 2020, em nível de idade, maturidade fisiológica e emocional. Vamos tirar um pouco essa ansiedade para focar e ter paciência, e assim continuar no trabalho de acordo com o crescimento dela”, completou.

DCIM100GOPRO

Luisa Braga, durante o treino desta quinta-feira no Clube de Campo de Piracicaba (Foto: Líder Esportes)

Início