Opinião

Seleção Brasileira? Que vergonha!

Para quem pensava que o 7×1 sofrido para a Alemanha era o fundo do poço, a cada dia a seleção brasileira prova que dá para piorar ainda mais. Muito se disse sobre aprender com erros, mudanças e blá-blá-blá, mas a nossa cultura futebolística não permite tais mudanças. Acostumamos a ganhar e queremos ver resultados.

Acreditar que algum dia desenvolveremos algum trabalho como o da Alemanha, é acreditar em conto de fadas. O Brasil não é pentacampeão mundial por ter estrutura e organização, e sim por sempre ter sobrado craques para serem convocados. Quantas e quantas vezes as seleções brasileiras foram convocadas e sobravam opções que ficavam de fora? Se lembrarmos do título mundial de 2002, o Brasil tinha Rivaldo, Ronaldo, Ronaldinho Gaúcho, Roberto Carlos, entre outros jogadores fora de série, que chamavam a responsabilidade e resolviam o jogo. Hoje, para se montar uma seleção, não temos tantas boas opções. Lógico que, mesmo assim, se analisarmos individualmente os jogadores que participaram da Copa América Centenário, o Brasil está muito à frente de Peru, Haiti e Equador. Era obrigação vencê-los.

Acabou o tempo em que seleções de nível intermediário entravam em campo pensando em não sofrer goleada. A seleção brasileira com apresentações pífias mostrou ao mundo que não somos mais os melhores do mundo. Coletivamente, hoje, o Brasil está abaixo do Chile. Cabe ao novo treinador, e tudo caminha para ser Tite, dar padrão à equipe, formar um grupo em que o coletivo esteja acima da vaidade e de objetivos pessoais. No momento, é o melhor nome para assumir o comando. Resta saber qual será a parcela de interferência que a CBF irá exercer no seu trabalho. A seu favor estão a competência, comando, humildade e o currículo com títulos importantes, que terão que se sobressair à falta de tempo que terá para treinar a equipe.

Boa sorte, Tite. Eu não quero assistir uma Copa do Mundo sem o Brasil.

Marcelo Sá é radialista e jornalista na Rádio Jovem Pan News Piracicaba

Início