Futebol

Reunião define o futuro do XV de Piracicaba

Diretoria estuda melhor data para renunciar; clube apresenta balanço

Gerson Magrão, meia do XV de Piracicaba
Gerson Magrão é um dos símbolos do fracasso do XV de Piracicaba (Foto: Mauricio Bento/Líder Esportes)

A reunião do Conselho Deliberativo marcada para a noite desta sexta-feira (29), no estádio Barão da Serra Negra, pode definir o futuro do presidente do XV de Piracicaba, Rodrigo Boaventura, e do vice Renato Bonfíglio, que acumula o cargo de diretor de futebol. A expectativa é pela renúncia da cúpula, que sofre pressão para deixar os cargos. A dupla é alvo de protestos de torcedores, que enxergam os cartolas como principais responsáveis pelo rebaixamento do time piracicabano para a Série A2 do Campeonato Paulista.

Cléber Gaúcho deve ser o técnico do Nhô Quim na Copa Paulista deste ano

“Tenho conversado com eles sobre a possibilidade de renúncia, que é a opção mais viável. Não há mais clima para continuar. Vamos aguardar o posicionamento deles na reunião”, disse Jonas Parisotto. Segundo o estatuto, Parisotto e José Antonio do Amaral Caprânico, presidente e vice do Conselho Deliberativo assumem os cargos temporariamente – em caso de renúncia – e ficam responsáveis pela transição e convocação de eleições. O empresário Celso Christofoletti trabalha para voltar ao posto, mas tenta evitar oposição.

Apesar de iniciar o planejamento para o segundo semestre e deixar praticamente acertado o retorno do técnico Cléber Gaúcho para dirigir o time na Copa Paulista, a saída de Rodrigo Boaventura e Renato Bonfíglio é dada como certa internamente. A dupla estuda apenas qual a melhor data para deixar o clube antes que seja aberta a assembleia de associados, órgão que pode destituir a diretoria. “Caso os associados se reúnam em grupo e entrem com pedido, temos que apreciá-lo. Eles (associados) precisam de um pedido, apontando quais falhas existiram para que o pedido seja bem fundamentado”, explicou Parisotto.

AUDITORIA

O XV de Piracicaba anunciou nesta quinta-feira (28) que finalizou o processo de auditoria financeira e enviou a documentação para a FPF (Federação Paulista de Futebol), atendendo as exigências da Lei Pelé. A Unity Auditores Independentes foi contratada para fazer o balanço – a empresa atende o clube desde a gestão de Adílson Maluf, em 2005, por meio do contador Aref Sabbagh. “É uma obrigação, sem dúvida, mas vale ressaltar o trabalho de transparência, uma vez que poucos cumprem o prazo estipulado por lei”, disse Boaventura. O material está disponível no site oficial do clube.

Início