Opinião

Primeira final

*Capa: Mauricio Bento/Líder Esportes/Orientec

Após mais de um mês de angústia, o XV de Piracicaba finalmente voltou a vencer. A briga contra o rebaixamento ainda não acabou, mas a vitória contra o Oeste alivia um pouco a pressão sobre o elenco, que não ganhava havia sete jogos. Espero que, se o XV vencer os quatro jogos que faltam para o término da primeira fase da Série A2 do Campeonato Paulista, ninguém da diretoria se iluda e resolva insistir em alguns jogadores para a Série D do Brasileiro.

Metade do elenco precisa mudar. Pensando em mais um jogo decisivo, desta vez contra o Votuporanguense, o técnico Vica tem uma semana de trabalho para corrigir alguns erros na equipe. Embora o XV tenha sofrido apenas um gol nos últimos dois jogos, acredito que é necessário fazer algumas correções na defesa. Quando seu goleiro é o melhor em campo em duas partidas consecutivas, é sinal que algo está errado.

O meio de campo tem um desfalque importante. Nos últimos jogos, Gilsinho tem se destacado na armação das jogadas. Na última entrevista coletiva, Vica deu a entender que Dodô seria o substituto, porém, quando teve oportunidades acabou não agradando. O ataque só tem funcionado na bola parada e também precisa de uma atenção maior. A partida contra o Votuporanguense tem uma importância muito grande para o XV de Piracicaba.

Uma vitória, aliada a algumas combinações de resultados, pode colocar o Alvinegro a cinco pontos da zona de rebaixamento, o que deixaria o clube muito próximo de se livrar da degola. Porém, uma derrota, também aliada a outros resultados, deixaria o clube novamente na zona de rebaixamento, restando três jogos para o término da primeira fase.

Por mais que as análises mostrem que o XV de Piracicaba pode jogar os últimos dois jogos (União Barbarense e Portuguesa) contra equipes que não almejam mais nada na competição, é necessário lembrar que essas mesmas equipes, que passam por problemas financeiros, podem receber de outros clubes um incentivo extra para vencer o jogo. Espero que os atletas entendam que a partida de sexta-feira é para ser encarada como uma decisão de campeonato. Se deixar para decidir a permanência depois, a pressão será maior.

Marcelo Sá é radialista e jornalista na Rádio Jovem Pan News Piracicaba

Início