Kickboxing

Piá sobe de peso, nocauteia e é pentacampeão

Lutador piracicabano conquista a Copa do Brasil pela quinta vez consecutiva

Gustavo Piacentini, lutador de kickboxing
Gustavo Piacentini tem dominado a Copa do Brasil de Kickboxing (Foto: Leonardo Moniz/Líder Esportes)

Pela quinta vez seguida, Gustavo Piacentini é campeão da Copa do Brasil de Kickboxing. Nesta ocasião, a conquista teve ingrediente especial: sem adversários na categoria 63,5 kg, na qual estava inscrito, o lutador piracicabano aceitou o desafio de disputar a competição na categoria acima (67 kg). Na decisão contra Danilo Rodrigues, Piacentini não deu chances ao rival, dominou a luta e nocauteou o oponente para se sagrar pentacampeão. Foi a primeira vez que o atleta subiu ao ringue depois de conquistar o cinturão profissional brasileiro, há cerca de quatro meses.

O período sem lutar, contudo, não interferiu no planejamento. “Não importa os obstáculos, se você trabalha corretamente. Meu maior receio era chegar sem o ritmo ideal, mas não foi o que aconteceu. Mesmo subindo de peso, eu estava muito preparado para a competição, me senti veloz, rápido e encontrei bem a distância. Não senti o tempo que fiquei fora dos ringues”, disse Piacentini, que conta com o  apoio da academia Fit Me, MP Suplementos e Selam. Perguntado sobre a forma como conquistou o triunfo, o lutador admitiu que não esperava nocautear.

“Eu nunca entro no ringue buscando diretamente o nocaute. Procuro trabalhar em cima do adversário para sentir o momento oportuno e aí tentar o nocaute, evitando a exposição e os contra-ataques. Sinceramente, quando decidi subir de categoria, a última coisa que eu pensava era vencer por nocaute, justamente por enfrentar um adversário fisicamente mais forte do que eu, em termos de peso. Não fui para buscar o nocaute, mas quando senti a possibilidade, procurei derrubar o adversário”, contou.

COINCIDÊNCIA

A Copa do Brasil tem trazido ‘sorte’ para o lutador. Em 2016, a vitória na competição reabilitou Piacentini de uma derrota sofrida no WGP e abriu caminho para as conquistas dos Jogos Abertos do Interior, Campeonato Pan-Americano e Cinturão Profissional Brasileiro. “Nos últimos anos, a Copa do Brasil realmente tem sido muito interessante. No ano passado, foi a competição que me alavancou e agora consegui um nocaute. Além disso, venho de cinco conquistas de título consecutivas. Não gosto de pensar em competição favorita, mas, sem dúvida, tem dado sorte para mim (risos)”, afirmou.

Nesta temporada, o lutador ainda tem pela frente os Jogos Abertos e o Campeonato Sul-Americano, e aguarda a confirmação para participar do WGP (circuito profissional). De momento, ele não cogita mudar de peso. “O importante é estar treinado e confiante, pois um peso acima ou abaixo não será determinante para a minha performance. Hoje, não sinto necessidade de mudar de categoria. Foi uma exceção, mas para as próximas competições, volto a lutar nos 63,5 kg”, completou. O preparador Bilico Carvalho é responsável pelo trabalho físico feito com o lutador, enquanto os aspectos táticos e técnicos continuam a cargo de Marcos Ribeiro e Wilson Teodoro.

Início