Opinião

O que esperar do XV na Copa Paulista?

*Capa: Mauricio Bento/Líder Esportes

A única certeza com a política ‘custo zero’ adotada pela diretoria do XV de Piracicaba para a disputa da Copa Paulista, é que os gastos serão menores. Quando se fala em time a custo zero, algumas situações devem ser levadas em consideração. Os jogadores que são remanescentes dos campeonatos anteriores recebem salário, ainda que seja menor, mas recebem. O clube arca com moradia para a grande parte do elenco e alimentação dos atletas. Então, os gastos com o time profissional continuam. O objetivo é deixar o déficit menor.

O que revolta o torcedor é que sempre que se fala em economizar, o principal produto do clube é que sofre os cortes: o futebol profissional. Existem outras maneiras de diminuir os gastos; são pequenas, mas somadas dão resultado. Compra um rolo de papel higiênico a menos, pó de café a menos, diminui a conta de telefone, onde tem dez lâmpadas deixa com nove, contrata um profissional a menos, leva um integrante a menos nos jogos, e por aí vai. Por mês, R$ 5 mil fazem diferença para o XV. “Ah, mas isso já foi feito”. Faz de novo e contrata um jogador com esse valor.

O XV tem fechado no vermelho e alguns dirigentes emprestaram dinheiro ao clube – o valor é próximo a R$ 700 mil. Se não aumentar a receita, o buraco vai ficar cada vez mais fundo com o passar dos anos. São quase cinco anos sem atrasar salários, mas, até quando o clube vai suportar? Administração boa ajuda muito. Facilita para negociar com jogadores, dá credibilidade junto aos patrocinadores. Porém, o que leva o torcedor ao estádio, aumenta o número de sócios, atrai novos patrocinadores, são os resultados obtidos dentro de campo.

Vamos parar com o papo de que só quem ajuda é que ama o XV. Então, se eu amo minha família, tenho que pagar as contas de todo mundo? Oras, estamos falando de futebol profissional, não de casa de caridade. O torcedor já ajuda pagando ingresso para ver um time que muitas vezes é extremamente limitado.

E o que esperar do XV na Copa Paulista? Se nos basearmos pela edição anterior, quando o XV foi campeão, a montagem do elenco também foi as pressas, porém com um tempo maior em relação a 2017. O clube vinha de um rebaixamento, com mudança na diretoria, na gestão de futebol, e precisava montar um elenco inteiro. Apenas quatro jogadores eram remanescentes da Série A1, alguns retornavam de empréstimos e outros oriundos das categorias de base. O objetivo era montar uma base para a Série A2 do ano seguinte. Deu tudo certo. Gastou menos, o time correspondeu em campo, a torcida compareceu, o que resultou em aumento de renda, título conquistado e vaga para a tão sonhada Série D do Brasileiro.

Em 2017, o XV tem uma base mais forte para início de competição. Assim como no ano passado, muitos jogadores são desconhecidos para o torcedor, ficando difícil fazer uma projeção. Acho que para se pensar em título, precisa se reforçar. É difícil dizer se os jogadores que chegaram darão certo ou não. Não dá para fazer uma análise mais detalhada, pois o elenco ainda nem está fechado. Mais uma vez teremos que esperar uns quatro jogos para ter uma noção melhor dos rumos que o XV seguirá na Copa Paulista.

Mas, e se tudo der errado esse ano? É incompetência? Não. É falta de dinheiro mesmo. Com uma folha salarial inferior a R$ 45 mil por mês, vai esperar o que? A chance de dar errado é maior do que a de dar certo. O planejamento era não disputar a competição. E porque disputa se não tem dinheiro? Porque a cobrança sobre o XV de Piracicaba é muito grande. A imprensa e a torcida não perdoam. Não é fácil ser dirigente do clube.

Marcelo Sá é radialista e jornalista na Rádio Jovem Pan News Piracicaba

Início