Muay Thai

‘Não há nada que me faça deixar o muay thai’

Em evolução, piracicabano diz que esporte foi responsável por mudança de vida

Paulo Henrique Camolesi, atleta de muay thai da academia Chock Dee
Paulo Henrique Camolesi quer ensinar o muay thai no futuro (Foto: Leonardo Moniz/Líder Esportes/Orientec)

Do trabalho para a academia e da academia para casa descansar, antes de voltar ao trabalho no dia seguinte. Há três anos e meio, a rotina de Paulo Henrique Camolesi dos Santos é praticamente a mesma. Antes um adolescente de ‘pavio curto, como ele próprio define, o piracicabano de 21 anos é hoje uma das promessas do muay thai. A arte marcial tailandesa, segundo o lutador, foi fundamental para a mudança de comportamento. De acumular ‘briguinhas’ na infância, ele passou a colecionar medalhas no esporte.

“Eu ainda vou lutar e treinar bastante. No futuro, meu sonho é abrir uma academia, ensinar o muay thai”, diz Paulo Henrique

“Desde criança eu gostava de luta, mas não conhecia como funcionavam as academias. Foi um amigo que me trouxe para conhecer aqui (equipe Chock Dee) e não parei mais. Eu brigava muito (risos). O esporte me ensinou bastante, pois eu era muito esquentado, pavio curto, sabe? Hoje, eu não quero saber de briga. É muito diferente brigar e praticar uma arte marcial, existe uma responsabilidade”, afirmou Paulo Henrique, que além de lutador, trabalha como serralheiro junto com o pai. A rotina é desgastante, mas pergunte a ele se pensa em abrir mão do que faz.

“O serviço é pesado, monto portões, enfim, é um trabalho braçal mesmo. Acordo cedo e entro às 7h, e saio geralmente às 17h30, 18h. Chego em casa, tomo um banho correndo e venho direto treinar. Fora isso, há dificuldades para conseguir apoio no esporte. Eu fui atrás, mas as pessoas confundem patrocínio com esmola. Isso tudo desgasta bastante, mas eu amo muay thai e não há nada que me faça deixar o esporte”, disse o lutador piracicabano, que treina todos os dias.

CONQUISTAS

Paulo Henrique está no muay thai a três anos e meio, mas começou a competir em 2015. A estreia foi promissora: duas lutas, duas vitórias e o título do Campeonato Paulista de Boxe Chinês, em São Paulo. No ano seguinte, o atleta conquistou o Open Fight, em São Pedro, ao derrotar Jonathan Rodrigues por nocaute na luta que considera a mais importante da breve carreira. “Fiquei muito feliz. Eu ainda vou lutar e treinar bastante. No futuro, meu sonho é abrir uma academia, ensinar o muay thai. Hoje treino com o melhor técnico da modalidade, que além de conhecimento, transmite muita humildade”, completou Paulo Henrique.

Início