Muay Thai

Muay Thai como ferramenta de inclusão social

Frederico Molina dá aula para alunos excepcionais: 'É um grande desafio'

Frederico Molina dá aula para crianças da Apae na academia Extreme Fight
Frederico Molina dá aula para alunos da Apae na academia Extreme Fight: ação social (Foto: Líder Esportes)

O técnico Frederico Molina, da Extreme Fight Sithinthong, realizou na última sexta-feira (10) uma aula de muay thai para 20 alunos da Apae (Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais), na academia da equipe. A atividade tinha como objetivo incentivar os alunos excepcionais no combate à obesidade infantil e ao sedentarismo, por meio de exercícios físicos. Participaram do encontro as professoras Marina Freato, Raquel Coelho e Rogéria Cardoso, além da coordenadora pedagógica Juliana Zulini – o motorista José Henrique Aversa também participou. A aula terminou com o coffee break oferecido pelo Empório Santa Lídia.

“A ideia de realizar atividades com alunos excepcionais é mais um desafio em minha carreira. O muay thai aplicado nas academias faz uma grande diferença para a qualidade de vida e o acompanhamento de alunos excepcionais se encaixa perfeitamente para o progresso motor e intelectual. Eu acredito que o muay thai deve ser o agente de inclusão social e cultural”, afirmou o treinador. Molina ainda enumerou os benefícios da atividade física para as pessoas com deficiência. Confira:

BENEFÍCIOS

“Para os alunos excepcionais, a atividade física é uma ferramenta para combater o sedentarismo e a obesidade infantil, além das múltiplas vantagens que são oferecidas para o organismo. A prática esportiva também traz benefícios psicológicos e sociais. O esporte ajuda a potencializar habilidades, melhorar a coordenação, mas também aporta mais força e tônus muscular, além de contribuir com a postura corporal, orientação espacial, equilíbrio e flexibilidade”

INSPIRAÇÃO

“Para dar a aula, eu utilizei como fonte o livro do meu treinador da Sithinthong, kru Mauro Breda, chamado ‘Pedagogia do Esporte Aplicada às Lutas’. Do livro, aplicamos alguns métodos lúdicos para interagir com os alunos. Somando estes conhecimentos com A orientação dos professores e orientadores da Apae, conseguimos realizar a atividade”

INCLUSÃO

“Atividades assim ajudam a criança a se sentir parte de um conjunto e a trabalhar em equipe, fomentando o companheirismo e favorecendo as relações pessoais. Além disso, as crianças descobrem as próprias capacidades e o autocontrole emocional. É importante que as crianças tenham consciência tanto das suas dificuldades como de suas possibilidades, melhorando a autoestima. Por isso, o trabalho eleva o grau de autonomia e melhora o estado de ânimo, sempre respeitando as regras do jogo”.

Início