Jiu-Jitsu

Lesão tira Thiago Monte do Pan na Califórnia

Piracicabano lesionou a coxa esquerda quando enfrentava Raphael Abi-Rihan

Thiago Monte, atleta de jiu-jitsu
Thiago Monte saiu do tatame carregado: lesão prejudica atleta piracicabano (Foto: IBJJF/Divulgação)

Uma lesão no músculo posterior da coxa esquerda tirou do piracicabano Thiago Monte o sonho do título do Campeonato Pan-Americano de jiu-jitsu, competição organizada pela IBJJF (sigla em inglês para Federação Internacional de Jiu-Jitsu Brasileiro). Monte disputava as oitavas de final contra o favorito Raphael Abi-Rihan, quando sentiu a lesão e teve de abandonar o tatame da Universidade de Irvine, na Califórnia. O atleta deixa os Estados Unidos nesta terça-feira (21) e chega amanhã ao Brasil.

Depois de vencer Newton Casemiro na estreia da categoria máster 2 faixa preto meio-pesado (-88,3 kg), o piracicabano enfrentou Abi-Rihan, mas a lesão o impediu de concluir a luta. “Olha, só eu sei o tamanho da dor desta derrota, mas pude ver realmente quem estava ao meu lado quando cai e quais as pessoas que me estenderam a mão. É triste, mas foi assim que se encerrou minha participação no Pan-Americano 2017 nos EUA”, desabafou Thiago Monte. O prazo de recuperação estimado é de aproximadamente 20 dias.

PERFIL

Aos 37 anos, o piracicabano participa de eventos desde quando começou no esporte, em 2001, sob a batuta do mestre Alessandro Bandeira. Campeão paulista categoria absoluto na faixa marrom, atual medalha de ouro sul-americano e vice-campeão mundial de máster em 2009, Monte tem pela frente quatro prioridades para 2017:  o atleta visa o Campeonato Brasileiro, Torneio Internacional do Rio de Janeiro, Sul-Americano e o Mundial de Jiu-Jitsu, marcado para o mês de agosto, em Las Vegas.

“Minha ambição no jiu-jitsu é conquistar títulos importantes e, quem sabe, morar nos Estados Unidos e começar a dar aula lá, montar uma equipe da modalidade. O jiu-jitsu é minha vida, foi amor à primeira vista desde que conheci. Não lembro de minha rotina antes do esporte. Hoje, sei que tenho de dar exemplo, a faixa preta me dá a responsabilidade de viver uma vida regrada, de ensinar meus alunos. Além disso, quero dar aulas para crianças, é outro projeto que tenho. Quero ser espelho para o meu filho”, contou.

Início