Opinião

Improvável, não impossível

É extremamente complicada a situação do XV de Piracicaba. A fuga do rebaixamento é improvável; abandone a ideia da corneta e veja a campanha feita pela equipe em 13 rodadas: 33% de aproveitamento, segundo pior ataque, uma vitória em casa, time com o segundo maior número de passes errados, time que menos acerta o gol… As estatísticas estão aí para quem quiser ver. O XV escapa? Difícil, 17% de probabilidade. Não é crítica desprovida de fundamento, pensamento negativo ou qualquer outra besteira do tipo. É resultado de  uma análise lógica. Improvável.

Impossível? Não, impossível não é. Do ponto de vista matemático, há aproximadamente 17% de chances de salvação. Tudo bem que futebol não é ciência exata, mas basta olhar para a tabela e você encontrará uma sequência de jogos que pode beneficiar o XV de Piracicaba. O histórico recente também pode servir de alento; de 2012 para cá, com mais ou menos intensidade, o time piracicabano sempre brigou contra o rebaixamento e deu uma guinada na reta final. O XV é especialista em brincar com o perigo.

Porque acreditar? O elenco do XV, peça por peça, não é ruim. Há inúmeras decepções. Aloísio, por exemplo, não é sombra do jogador que foi em Macaé-RJ; Rodrigo Silva esqueceu os gols em Natal, quando vestia a camisa do ABC. Enquanto conjunto, não funcionou – displicência, incompetência, lesões, teimosia, coloque aqui a desculpa que você acredita ser a mais convincente -, mas as individualidades podem resolver alguma coisa na reta final.

Vencer Linense e Oeste não é nenhum absurdo, ainda mais considerando o que as duas equipes apresentaram em 2016. Absurdo é não enxergar o rebaixamento como algo absolutamente trágico no curso do clube. A Série A2 é dificílima e será ainda mais em 2017 – cota de televisão não garante acesso, ainda mais quando o departamento de futebol não tem no currículo grandes ‘acertos’ em termos de contratação.

Em tempo: caso o XV de Piracicaba consiga a permanência na elite, que não venha nenhum oportunista ‘calar a boca’ de quem não acreditou ou ainda dizer que ‘fica a experiência’. O XV dá provas que ano após ano não aprende lição alguma. Resta ver qual futuro os sócios elegerão para o clube em novembro.

Leonardo Moniz é jornalista e editor de conteúdo do LÍDER

Início