Karatê

Hernani vence estrela; fratura ‘breca’ Natalia

Dupla vence as duas primeiras lutas na Holanda, mas não chega ao pódio

Premier League - Karatê 1 Rotterdam
A próxima etapa da Premier League acontece em Dubai, no início de abril (Foto: WKF/Divulgação)

Hernani Veríssimo e Natalia Brozulatto disputaram no último sábado (18), em Rotterdam, a etapa da Holanda da Premier League, a Liga Mundial de karatê. Natalia venceu as duas primeiras lutas na categoria -68 kg, mas foi impedida de continuar após fraturar o nariz no duelo contra Marina Rakovic, de Montenegro. Na divisão -75 kg, Hernani também conquistou duas vitórias, a segunda contra o italiano Luigi Busa, bicampeão mundial e tricampeão europeu. O piracicabano, porém, acabou eliminado na terceira rodada. ‘breca’

Hernani venceu o bicampeão mundial Luigi Busa: ‘É uma grande referência’

A experiência foi muito boa, fiz três lutas contra três atletas muito experientes e acabei perdendo no hantei. Poucos atletas me conheciam, então isso foi um elemento surpresa a meu favor. Na próxima vez, quero dividir o pódio”, disse Hernani. Na estreia, o piracicabano derrotou com facilidade o francês Ali Oukhrid e avançou para enfrentar Luigi Busa. O duelo contra o bicampeão mundial foi parelho, mas prevaleceu a juventude do brasileiro contra a experiência do italiano. “A sensação foi de ter vencido um ídolo que tenho desde pequeno, é uma referência”, disse.

Na terceira rodada, contudo, Hernani empatou sem pontos contra o ucraniano Stanislav Horuna. No hantei (bandeirada), Horuna venceu por 3×2. Assim como o companheiro de equipe, Natalia Brozulatto saiu da Holanda com duas vitórias, mas não teve sequer a chance de entrar no tatame pela terceira rodada. Depois de eliminar a eslovaca Lucia Langosova, Natalia derrotou a montenegrina Marina Rakovic, medalha de bronze no último Mundial. O confronto, porém, foi marcado pela fratura do nariz da brasileira.

Luigi Busa, lutador italiano de karatê

Hernani derrotou o italiano Luigi Busa na segunda rodada da Liga Mundial (Foto: Arquivo/WKF Europa)

“A Natalia não poderia pisar fora da quadra nos segundos finais, pois seria punida e desclassificada. Então, ela tentou encurtar a distância e, restando três segundos para o final, recebeu um chute Natalia. A arbitragem não deu a importância devida, três bandeiras marcaram o ponto e isso dava a vitória para a adversária. Assim que percebemos que a Natalia estava com o nariz quebrado, entrei na quadra e questionei o procedimento adotado. A arbitragem foi humilde para voltar atrás e anular o ponto, dando a vitória para a Natalia. Porém, com o nariz quebrado, não havia condições para continuar lutando”, explicou Spigolon.

Perguntada sobre o próprio desempenho, Natalia disse que recuperou parte da confiança na Holanda. “O que falta é ritmo de competição internacional e diminuir margem de erro. Dá para chegar longe”, afirmou. “O nível é muito alto e qualquer erro pode significar uma mudança de planejamento. O contato com atletas de alta performance é extremamente importante neste momento, vamos corrigir as falhas pensando em classificação para as Olimpíadas”, afirmou Diego Spigolon, técnico de Piracicaba e da seleção brasileira. De acordo com o sistema da WKF (sigla em inglês para Federação Mundial de Karatê), a pontuação conquistada em 2017 não terá efeito no ranking que define as vagas para os Jogos Olímpicos de 2020, em Tóquio.

Início