Kickboxing

Guerreiro, Isaias aumenta domínio na categoria

Atleta vence WGP, é tetracampeão da Copa do Brasil e fatura o bi no Pan

Isaias Silva, lutador piracicabano de Kickboxing
Isaias Silva, durante um treinamento: história de superação (Foto: Leonardo Moniz/Líder Esportes)

Natural de Murici (AL), mas em Piracicaba há quase 20 anos, Isaias Silva tem muitas razões para comemorar o que alcançou em 2016. Aos 21 anos, o lutador estreou com o pé direito no WGP, circuito profissional de kickboxing. A vitória por decisão unânime contra o rival Maykon Barreto, de Bauru, abriu o card da 31ª edição do evento, realizado no Ginásio Municipal Waldemar Blatkauskas. “Foi a luta mais importante de minha carreira e isso vem abrindo portas para mim. Espero deslanchar”, disse o atleta na época. Isaias deslanchou.

O atleta começou a praticar o muay thai há dez anos e, há cinco, disputa o kickboxing, esporte em que coleciona títulos nacionais e internacionais. O último deles foi o Pan-americano, em Cancún, no México. “É a competição que eu mais queria ganhar, me dediquei ao máximo”, revelou Isaias, que se sagrou campeão no ringue e no tatame, ambos na categoria 57 kg. “Nada na minha vida foi fácil e sempre corri atrás dos meus sonhos. Estou muito feliz pelos resultados, pela forma como eles foram alcançados”, disse.

Antes de subir ao topo do pódio no Pan, o atleta já havia vencido a Copa do Brasil pela quarta vez nas categorias kick light e point fighting, ambas realizadas no tatame – no currículo, o lutador tem ainda o tricampeonato paulista, e brasileiro, além de uma conquista sul-americana. A alegria pelos títulos nacionais, contudo, chocou com a tristeza pelo fato de não poder disputar o Aspera FC, evento do circuito profissional – na Copa do Brasil, Isaias voltou a lesionar o pé direito e teve a participação vetada pelos médicos. A situação, porém, não o impediu de participar e vencer em Cancún.

HUMILDADE

A ida para Cancún reservou para Isaias desafios além do ringue. Para viajar ao México e arcar com as despesas, o jeito encontrado foi rifar a luva que usou na estreia no WGP e uma caneleira. “Todo atleta depende de ajuda, patrocínio nos dias de hoje é algo muito difícil”, afirmou. Nas semanas que antecederam o embarque, mais uma iniciativa foi realizada, desta vez com a ajuda de amigos: Isaias foi pedir ajuda nas ruas. “Graças a Deus, muitas pessoas ajudaram. Valeu a pena”, contou. O resultado foi mais um cinturão na extensa galeria do atleta.

Início