Opinião

Enfim, chegou o meia

*Capa: Arquivo/Mauricio Bento/Líder Esportes

A sofrida vitória por 3×1 sobre a Inter de Limeira manteve o XV de Piracicaba vivo na briga pela classificação para a próxima fase do Campeonato Paulista da Série A2, aliviando um pouco a pressão sobre a equipe e reacendendo as esperanças do torcedor, que sonha com o acesso para a Série A1. O XV não convenceu, mas, mais importante, venceu. Mostrou que tem elenco para não brigar na zona de rebaixamento. Para brigar pelo acesso, ainda precisa mostrar mais.

Na partida contra a Inter de Limeira, vimos um adversário com mais volume de jogo, principalmente no primeiro tempo, arriscando mais chutes ao gol, porém, o XV de Piracicaba é quem teve mais chances claras para marcar, e foi eficiente neste quesito. Além dos três gols, Everton ainda desperdiçou oportunidade após passe de Fabinho; o próprio Fabinho havia perdido o gol no início do segundo tempo, depois do lançamento de Léo Carvalho. André Cunha errou um pênalti.

A partida não foi uma apresentação brilhante do Nhô Quim, mas é preciso enaltecer a garra dos jogadores e a persistência do início ao fim, acreditando que era possível vencer. A vitória também deu mais tranquilidade ao técnico Evaristo Piza, que aos 45min do segundo tempo corria sério risco de ser demitido. Apesar das críticas, algumas merecidas, continuo acreditando no trabalho de Piza. Não o vejo como único culpado pelos resultados ruins.

A diretoria, enfim, trouxe um meia. Norton. Bruninho está próximo de retornar. Não que ele seja um craque, mas é diferencial no elenco, com características de partir para cima, tentar o drible. Evoluiu em 2017 e marcou 11 gols no ano. A expectativa é que o XV melhore com mais esses dois atletas. Sobre Norton, prefiro esperar para avaliá-lo, mas, com base naquilo que ouvi antes da contratação, de que ninguém se enquadrava no perfil que o XV procurava, que era preciso estar em atividade, espero que Norton seja o ‘cara’, o fermento que faltava para o time crescer na competição. Não há tempo suficiente para ficar analisando se escala ou não para jogar contra o Taubaté. Restam dez jogos para o término da primeira fase.

Pelo que vi da equipe, após cinco rodadas, sete atletas merecem ser destacados. O goleiro Samuel Pires, que pode ser questionado sobre uma falha ou outra, dependendo da análise, mas no geral, vem mantendo uma regularidade. A dupla de zaga formada por Vinícius Simon e Jean Pablo, que fazendo o simples, tem sido muito eficiente. Os quatro gols sofridos contra o Oeste aconteceram depois que o XV desmontou o meio-campo, aí a bomba explode na defesa.

Dizer que Bruno Formigoni merece destaque, é repetir tudo que foi dito em 2017. Ainda não encontrei uma explicação racional para ele ficar no banco. Falhar em uma partida não apaga os vários jogos que ele foi o melhor em campo. Se ainda haviam dúvidas que é a melhor opção entre os volantes, espero que os dois últimos jogos, contra Portuguesa e Inter de Limeira, tenham aberto os olhos do treinador. Fraga, formado na base do XV, é outro que deu segurança ao setor. Jovem, desarma bem e corre demais, ajuda os mais velhos a recuperarem o fôlego.

Fabinho, que ainda não fez gol, é atacante, mas tem criado e dado assistências como um meia. Muita entrega coletivamente, tanto é que acaba não aguentando o jogo todo. Éverton merece, e muito, destaque. Em cinco jogos, marcou seis gols, média de 1,2 por jogo. É o artilheiro do campeonato. O único atleta do clube que balançou as redes. Raras foram as chances desperdiçadas por ele. Se a bola chegasse mais, talvez o XV sofresse menos. Vencer os jogos em casa e continuar buscando pontos fora, esse é o caminho para passar de fase. Ainda dá, mas chega de tropeços.

Marcelo Sá é jornalista no Líder Esportes e na Rádio Jovem Pan News Piracicaba

Início