Voleibol

Elenco visita Hemonúcleo: ‘Doar não dói, salva’

Time feminino de Piracicaba dá lição de solidariedade em nova ação social

Thais, oposta da equipe feminina de vôlei da Apiv
A oposta Thaís doou sangue pela primeira vez: 'Estou muito feliz' (Foto: Mauricio Bento/Líder Esportes)

De volta às atividades, a equipe feminina da Apiv/Amhpla/Unimep/Selam (Associação Piracicabana de Voleibol) visitou na manhã desta quarta-feira (10) o Hemonúcleo Piracicaba para doar sangue. A iniciativa faz parte do projeto de responsabilidade social desenvolvido pelo clube, que inclui ainda o Programa Voleibol nas Escolas, realizado em escolas municipais, estaduais e particulares. Na quadra, o time piracicabano treina de olho nos Jogos Abertos do Interior, que serão disputados em setembro, na cidade de São Bernardo do Campo.

“É muito importante a conscientização não apenas de atletas, mas de todos os segmentos da sociedade. Doar é um incentivo para uma pessoa ser melhor. A doação não é feita somente pela necessidade que o Hemonúcleo Piracicaba está vivendo e enfrentando, mas pela grandeza do gesto. A equipe de voleibol quer despertar na comunidade esportiva o exemplo e a consciência de que doar não dói, salva”, declarou Zeca, treinador do time piracicabano.

Apiv/Amhpla/Unimep/Selam (Associação Piracicabana de Voleibol)

O elenco piracicabano visitou o Hemonúcleo nesta quarta-feira (Foto: Mauricio Bento/Líder Esportes)

Recém-contratada, Thaís doou pela primeira vez. A oposta diz que realizou um desejo antigo. “Cheguei aqui recentemente e sempre quis doar sangue, mas nunca fui atrás para me informar sobre o assunto. Quando soube que a equipe iria participar, fiquei muito feliz. É algo novo para mim, uma ótima oportunidade”, afirmou. A  felicidade é compartilhada pela central Solange, que assim como o marido, é doadora recorrente.

“É importante ser solidário, tantas pessoas estão precisando e não existe muita procura em relação à doação, muitas vezes por falta de informação. Eu e meu marido somos doadores, isso ajuda a vida de outra pessoa”, disse Solange. “Estamos em época de Olimpíadas e fica mais fácil visualizar ações como esta. As pessoas veem os atletas como referência para enxergar situações em que o mundo precisa de contribuição”, completou Solange.

A assistente social do Hemonúcleo Piracicaba, Kelly Cristina Borges, trabalha com a captação de doadores de sangue. Ela conta que iniciativas como a realizada pela Apiv são “extremamente importantes”, porque colaboram com a manutenção do estoque. “Nós temos um trabalho voltado para incentivar todos os grupos da sociedade. As ações precisam ser voluntárias, precisamos da população. É algo muito positivo”, afirmou.

Zeca, técnico da equipe feminina de vôlei da Apiv Piracicaba

O técnico Zeca também participou da doação de sangue: ‘Doar salva’ (Foto: Mauricio Bento/Líder Esportes)

Início