Opinião

Conflitos de Interesse

Todos sabemos que o mundo desportivo, desde o final de 2015, com as descobertas feitas pelo relatório McLaren sobre o doping russo, não é mais o mesmo. A idoneidade do esporte foi posta à prova e mesmo as entidades internacionais envolvidas com o esporte têm sofrido com críticas constantes sobre suas reais intenções quando o tema é jogo limpo.

Grandes críticas têm sido constantemente direcionadas para a Wada, a Agência Mundial que regulamenta toda a política antidoping no mundo. Nesse sentido, um grande movimento internacional tem ganhado força, exigindo que quaisquer pessoas que tenham quaisquer ligações com outras entidades desportivas não possam, de forma alguma, fazer parte da Wada. A grande briga se concentra no chamado conflito de interesses.

 Nas últimas semanas aconteceram duas importantes reuniões na capital olímpica, Lausanne, na Suíça. A primeira delas foi a Assembleia Geral Ordinária do iNADO, uma associação internacional que congrega boa parte das Agências Antidoping do mundo. A outra foi a reunião da Wada propriamente dita. Em ambas as oportunidades destacou-se a necessidade de independência total da Agência Mundial, motivo pelo qual a discussão tem sido acirrada. Isso porque, em caso de aprovação das novas diretrizes, praticamente boa parte daqueles que compõem a Agência Mundial hoje não teriam como permanecer em suas ocupações. O braço executivo da Wada, por exemplo, ainda inclui vários funcionários dos principais órgãos governamentais mundiais e funcionários do Comitê Olímpico Internacional (COI).

A Agência Norte Americana (Usada), por meio de seu representante, destacou no simpósio da Wada que não seria compatível uma situação em que se deve promover e vigiar seu próprio esporte. Isso seria conflitante. A questão que se coloca é: excluir todos aqueles que militam no mundo desportivo de alguma forma e possuem experiência ímpar para lidar com o esporte seria uma opção plausível para liderar grandes entidades desportivas de controle de dopagem?

Clique aqui para continuar lendo.

Fernanda Bini é advogada, especialista em direito desportivo e colunista do LÍDER

Início