Ginástica Artística

Diogo Soares faz história em evento no Japão

Piracicabano conquista o bronze na barra fixa em Yokohama: 'Foi incrível'

Daniel Biscalchin e Diogo Soares, técnico e ginasta da equipe Pira Olímpica
Daniel Biscalchin e Diogo Soares: dupla conquista excelente resultado no Japão (Foto: Divulgação)

Daniel Biscalchin está no Japão desde a semana passada e retorna ao Brasil na próxima quinta-feira (21). No caminho de volta, fará uma viagem de quase 35 horas, contando escalas e tempo de espera, mas estará provavelmente com o sorriso de orelha a orelha. A explicação tem apenas 15 anos e nome já conhecido: Diogo Soares. Na Ásia, a jovem revelação da ginástica artística brasileira conquistou na barra fixa a inédita medalha de bronze para o país o International Junior Gymnastics Competition, competição intercontinental juvenil que foi realizada na cidade de Yokohama e reuniu competidores com idade entre 14 e 17 anos.

A dupla da academia Pira Olímpica foi a única representante do Brasil no evento. Diogo Soares no último domingo (17) de seis provas olímpicas classificatórias: solo, cavalo com alças, argolas, salto sobre a mesa, barras paralelas e barra fixa. O piracicabano avançou para final em três aparelhos: salto sobre a mesa, barras paralelas e barra fixa, além do sétimo lugar no individual geral, atrás de Japão (1º e 2º lugares), Grã-Bretanha (3º e 6º) e EUA (4º e 5º). O bronze na barra fixa foi conquistado na segunda-feira (18) e arrancou elogios do treinador, incapaz de esconder a alegria.

“Deu certo! É incrível!”, vibrou Biscalchin. “Foi uma experiência sem preço, era muito difícil conseguir uma medalha, mas não existe impossível. O nível da competição foi altíssimo, mais do que imaginei, mas foi muito bom vivenciar isso. O evento foi muito legal e a forma como fomos recebidos pelo povo japonês é algo sensacional”, completou o técnico, responsável direto pela evolução do atleta que lapida desde o início da carreira. Frequentar o pódio não é novidade para o ginasta, dono de títulos como o bicampeonato sul-americano, por exemplo. A busca pelo tri será ainda neste mês, no Chile. A questão em Yokohama foi a dificuldade da prova.

“O Daniel optou por fazer uma série mais segura e caprichar na execução para tentarmos o maior número de pontos possível. Felizmente, a estratégia deu certo”, disse Soares. “Pelas notas, sabíamos que era muito difícil alcançar uma medalha, mas não impossível. Arriscamos mais no salto e nas paralelas. Na barra fixa, apostamos em uma série mais segura e tentando ao máximo melhorar a execução. Deu certo! Fiz uma série muito bem executada e conseguimos a terceira colocação”, comemorou o ginasta. A diferença para os dois concorrentes que superaram Diogo foi mínima: 0,05 para o segundo colocado e 0,30 para o primeiro.

MOTIVAÇÃO

Motivada, a dupla piracicabana traz na bagagem mais do que uma medalha: a experiência vivida no Japão deixou Daniel Biscalchin e Diogo Brajão ainda mais convictos de que eles podem ‘brigar’ entre os melhores do mundo. “Foi uma grande motivação. Antes mesmo do resultado, já tinha me empolgado demais vendo esses atletas. Percebi que não é impossível chegar ao nível deles, mas preciso treinar muito mais”, afirmou o ginasta. “Vimos competidores de nível muito alto, fazendo coisa de adultos. Eu sempre digo para o Diogo: ele precisa treinar para ganhar desses atletas”, finalizou Biscalchin.

O piracicabano Diogo Soares foi o único representante do Brasil na competição (Foto: Divulgação)

Início