Opinião

Degrau acima

Sai ano, entra ano, e o objetivo do XV de Piracicaba segue o mesmo: alcançar uma vaga na Série D do Campeonato Brasileiro. É assim desde que o Nhô Quim colocou seus pés de volta à elite do futebol estadual, em 2012. Já naquele ano, o fato de estar entre os melhores clubes de São Paulo após 16 temporadas nas divisões inferiores não era suficiente. O clube almejava – e ainda almeja – mais. Independente da situação, os alvinegros sempre miram um degrau acima.

Na verdade, para o torcedor, retornar ao cenário nacional deixou de ser uma meta. Trata-se de uma obrigação. E a visão dele tem total coerência. Um time centenário, que possui em sua história um vice-campeonato paulista e um título da Série C, não deveria disputar por tanto tempo apenas torneios regionais. Então, a cada ano que passa, a pressão sobre o XV cresce, principalmente agora, depois de o Botafogo de Ribeirão Preto ter sido campeão da Série D.

Há aquele ditado de que a “grama do vizinho é sempre mais verde”. Nesse caso, ela realmente está, e o quinzista deseja que a dele fique igual ou até melhor. É isso que ele aspira para 2016. Por essas razões que a maioria dos reforços gera desconfiança e qualquer erro vira motivo para uma avalanche de críticas. Não existe implicância, mas, sim, uma enorme vontade de ver sua equipe vencer e alçar voos maiores.

Assim como os últimos anos, 2016 ainda é incerto para o Nhô Quim. O XV não sabe se participará da Série D ou da Copa Paulista no segundo semestre. Sabe-se somente que o risco de descenso no Paulistão aumentará – o número de rebaixados subiu de quatro para seis. Mas o torcedor não quer saber disso, pois ele só olha para cima. E se espera o mesmo do Alvinegro.

Rodrigo Alonso é jornalista e cronista esportivo

Início