Automobilismo

De virada, Seibel fica com título da Stock Júnior

Piloto tira diferença na pista e fatura a taça nos critérios de desempate

Stock Júnior - ECPA
Stock Júnior 2015 foi decidida apenas nos critérios de desempate (Foto: ECPA/Divulgação)

O número de vitórias foi o critério que decidiu o título da Stock Júnior 2015, sábado (12), no autódromo do Esporte Clube Piracicabano de Automobilismo. Vice-líder antes da última etapa, Rafael Seibel deixou o favorito Otto Baumgart para trás e conquistou a taça inédita na categoria. Seibel venceu a segunda bateria, igualou o número de pontos do vice-campeão e ultrapassou Baumgart no critério de desempate.

Seibel venceu cinco provas no ano, enquanto Otto Baumgart ganhou quatro corridas

Apesar da vitória e da virada na classificação geral, a decisão foi marcada pela tensão, durante e após a prova, enquanto a organização analisava a planilha de classificação do campeonato – os dois primeiros colocados empataram no número de pontos e o empate persistia, inclusive, com a aplicação da regra do descarte. O desempate veio somente após o uso do quesito número de vitórias, critério que apontou Seibel como vencedor da temporada – foram cinco vitórias contra quatro de Baumgart.

“Fiquei muito contente e, ao mesmo tempo, muito surpreso. Foi a minha segunda temporada na categoria. Cheguei para a prova final em desvantagem, mas as coisas deram mais certo para mim do que para o adversário”, afirmou o Seibel. Otto Baumgart ocupava a primeira colocação e não precisava sequer ganhar outra bateria para ficar com o título da Stock Júnior, desde que o oponente não chegasse em primeiro lugar. Buscando o bicampeonato, Baumgart terminou a primeira bateria na quarta posição. Na sequência, foi segundo colocado, logo atrás de Seibel.

Antes das provas, o novo campeão estava em segundo lugar, com 21 pontos a menos. Com uma vitória e uma segunda colocação, o piloto que em 2014 foi considerado a revelação do ano na categoria, não fez questão de esconder a euforia. “Após o segundo lugar na primeira bateria, só a vitória me daria o título. Assumi a ponta no começo, mas foi muito difícil segurar o Otto, que colocou o carro por duas vezes ao meu lado. Acho que foi a conquista da minha vida”, afirmou o paulistano.

RESULTADOS

As demais categorias da Copa ECPA de Velocidade já haviam sido definidas antecipadamente. Na divisão Marcas & Pilotos, a vitória na classe super ficou com Rodrigo Stefanini, que conquistou as duas baterias e garantiu o vice-campeonato – Alexandre Souza foi o campeão. Na light, a dupla de Ribeirão Preto formada por Rafael Matta e Anderson Paes ficou com o título. Entre os novatos, Mauricio Quagliato faturou o título do ano.

Já entre os Clássicos de Competição, Stanley Wessler venceu as duas baterias da classe B. Ele já havia conquistado a taça por antecipação. Na classe C, vitória em dobro da dupla formada por Mauricio Marchioni e Rogerio Camargo, mas título ficou com outro ‘dueto’: Luis Carlos Finotti e Marcelo Fortes. As emoções na categoria ficaram reservadas para a classe D, quando Ruy e Fabio Quintela superaram Eugênio Filho e Wagner Siebert nas duas últimas baterias do ano.

Início