Opinião

Cirúrgico

*Agência Corinthians

O Corinthians provou diante do Palmeiras, no Allianz Parque lotado, a ótima fase no Campeonato Brasileiro. Bateu o maior rival por 2×0, manteve a campanha quase perfeita na competição e tirou todas as dúvidas de quem ainda tinha sobre esse time. O que mais impressiona na equipe do técnico Fábio Carille é a capacidade de organização. O Corinthians sabe como jogar, cumpre à risca o plano tático e não se desconcentra em nenhum momento. No clássico de quarta-feira, o Palmeiras tinha nada menos que 70% de posse de bola quando o Alvinegro sofreu o pênalti com Arana e abriu o placar.

O Corinthians sabe ‘sofrer’. É letal. Cirúrgico. Foi assim no clássico. Chutou três vezes ao gol e marcou duas vezes. É muita eficiência. A consistência do Timão também passa pelo ótimo preparo físico e a falta de lesões. Fábio Carille disse que não esperava essa performance. Ninguém esperava. Porém, escala armadores para aprontar a correria. Deixa a bola com o adversário e prepara o ‘bote’ no momento certo. Aliado a tudo isso, a sorte que acompanha a todos que trabalham com seriedade. Uma fórmula de sucesso.

Quanto ao Palmeiras, um elenco de muitos nomes de qualidade, mas que ainda ‘não deu liga’. A culpa é do Cuca. Ele tem de definir os 11 titulares, manter a base e colocar o time para jogar bola. O Brasileirão já é passado, uma vez que ficou muito distante do líder Corinthians. A Copa do Brasil está complicada (tem de vencer o Cruzeiro em BH, após o empate em três gols no Allianz Parque). Na Libertadores, o Palmeiras tem de fazer dois gols de diferença no Barcelona do Equador no jogo de volta. Pouco futebol para tanto investimento. Tem de melhorar para tentar ‘salvar’ o ano.

São duas realidades que mostram que, mesmo no futebol, o poderio financeiro não é tudo. O Corinthians mostra isso. Tudo bem que o Alvinegro ainda não conquistou o Nacional, mas a vitória diante do maior rival é a prova que faltava para não haver mais dúvidas sobre o que esse time é capaz. Já o Palmeiras terá pressão e mais pressão.

Erivan Monteiro é jornalista e cronista esportivo

Início