Futebol

Canavarros sofre edema cerebral; quadro é grave

Jogador passa por cirurgia de crânio para implante de cateter frontal direito

José Roberto Alleoni, médico do XV de Piracicaba
O médico José Roberto Alleoni diz que todos as medidas preventivas foram tomadas (Foto: Líder Esportes)

O estado de saúde do lateral-direito Canavarros, do XV de Piracicaba, é considerado grave. A informação foi divulgada no início da tarde desta quinta-feira (28), em nota oficial enviada pela assessoria de imprensa. O corpo médico que acompanha o caso detectou um edema cerebral. Canavarros foi submetido na noite de quarta-feira (27) a uma cirurgia de crânio para implante de um cateter frontal direito – medida tomada para monitorizar a pressão intracraniana. O jogador segue internado no Emcor (Emergência do Coração) de Piracicaba.

A parada cardíaca pode ter sido a causa do edema cerebral, segundo os médicos

LÍDER entrou em contato com o neurologista e neurocirugião Ary Marconi Júnior, responsável pelo implante do cateter. De acordo com ele, o jogador continua sedado em coma e respirando por aparelhos. “Houve um inchaço cerebral, é algo progressivo, pode piorar no quarto ou quinto dia. Ontem (27) implantamos um cateter para medir essa pressão. A causa do edema é a parada cardiorrespiratória. O estado é grave, sim, desde a entrada dele no hospital. Não mudou nada”, afirmou.

Canavarros sofreu uma parada cardíaca na última segunda-feira (25). O jogador caiu no gramado do estádio Barão da Serra Negra durante o treino, mas naquele momento havia pulso, segundo o departamento médico do clube. A parada cardíaca ocorreu no caminho entre o estádio e a Santa Casa, onde o lateral foi inicialmente internado. O médico do XV, José Roberto Alleoni, afirmou em entrevista coletiva na última terça-feira (26) que não há lesões no coração do atleta. Alleoni também acredita que a parada cardíaca pode ter sido a causa do edema cerebral.

“Geralmente, a causa é esta. A parada cardíaca ocasiona um ‘sofrimento’ do cérebro em decorrência da falta de oxigenação. O inchaço aumenta a pressão e o cateter mede o quanto está ‘apertado’ o cérebro. A cirurgia foi feita em decorrência desta situação”, disse o médico em entrevista ao LÍDER.

Desde que o acidente aconteceu, Canavarros foi submetido a diversos exames. O corpo médico que atende o caso solicitou ecocardiograma, ressonância das artérias do coração e exames de sangue. Os resultados não apontaram nenhuma anormalidade. “Tudo o que poderia ser feito para prevenção, foi feito. É um acidente de trabalho, infelizmente pode acontecer com qualquer pessoa”, completou Alleoni.

Início