Kickboxing

Campeão profissional, Piacentini vê ano ‘morno’

Crise atravessada pelo esporte local deixou atletas sem salários ao longo do ano

Gustavo Piacentini, lutador de kickboxing
Após a luta, Douglas Nunes reconheceu a vitória de Gustavo Piacentini (Foto: Leonardo Moniz/Líder Esportes)

Campeão brasileiro profissional, Gustavo Piacentini encerra a temporada 2017 com a sensação de que faltou algo. Apesar do inédito cinturão nacional na categoria 62,3 kg, conquistado em maio após vitória por decisão unânime sobre o goiano Douglas Nunes, em Sorocaba, o lutador piracicabano avaliou o ano como ‘atípico’. A análise está ligada ao cenário do esporte piracicabano, que atravessou uma crise devido ao congelamento do repasse dos cofres públicos via Selam (Secretaria de Esportes, Lazer e Atividades Motoras).

A falta de recursos significou a disputa de um número reduzido de competições, situação que não agradou Piacentini, atleta da equipe Company Top Fight. “O ano foi atípico, morno. O começo foi mais ‘vivo’ pela conquista do cinturão brasileiro. Neste sentido, foi bom, algo importante no circuito profissional e que ajudou bastante na minha carreira. O segundo semestre foi muito ‘frio’. Não é fácil manter-se motivado na situação que nos encontramos”, afirmou o atleta, que conta com apoio da academia Fit Me e da MP Suplementos.

A situação referida foi a ausência do repasse antes feito anualmente pela Selam. Em janeiro, entrou em vigor o marco regulatório do terceiro setor (Lei Federal 13.019/2014), que prevê a celebração de chamamento público. As entidades locais dependiam do ‘convênio’ com a Pasta para pagar os esportistas. Com a mudança de regras, os atletas, dirigentes e treinadores não receberam ‘salários’ em 2017. “Em 2018, a expectativa é reverter isso para voltar com força e ser expoente, como foi até 2016. Particularmente, quero voltar a me destacar e fazer por merecer isso”, disse.

O momento mais feliz do ano aconteceu no Ginásio Municipal Gualberto Moreira, em Sorocaba. Com o controle do ringue desde o início, Gustavo Piacentini usou da estratégia para pontuar e vencer Douglas Nunes. “Foi especial. Eu sabia do peso que essa luta poderia ter para mim. Foi difícil, mas tive o suporte também no aspecto psicológico. Isso me deu forças e ajudou na vitória”, finalizou o lutador, que tem como preparador físico Bilico Carvalho e treinadores Marcos Ribeiro e Wilson Teodoro.

Início