Judô

Após acidente, judoca quer voltar ‘mais forte’

Rene Mattos perde a temporada, mas mantém foco e já planeja retorno

Rene Mattos, atleta de judô da academia Heisei
Rene Mattos espera voltar ainda mais forte após se recuperar da lesão no cotovelo (Foto: Líder Esportes)

Copa São Paulo, Campeonato Regional e depois, quem sabe, Estadual do Interior e talvez Campeonato Paulista. O planejamento de Rene Mattos estava desenhado, mas tudo mudou na véspera do feriado de Páscoa. O judoca viajava de moto para Maresias (São Sebastião) quando sofreu acidente de madrugada ao bater contra as ‘tartarugas’ da pista a 100 km/h. Rene caiu e rolou para o acostamento ainda sem saber o que tinha acontecido, mas logo percebeu que algo estava errado com o braço esquerdo.

Rene deve iniciar o trabalho de fisioterapia nos próximos dias

“Eu estava seguindo o carro de um amigo e ele pegou uma saída em cima da hora, acabei caindo. O braço bateu na ‘tartaruga’ e percebei que quebrei o cotovelo quando o corpo esfriou. Meus amigos vieram ajudar, outro carro que não nos conhecia também parou para ver o que tinha acontecido”, contou Rene, que deve voltar a competir apenas em 2017 – aos 23 anos, 19 deles dedicados ao judô, o meio médio da academia Heisei é faixa preta 1º Dan e acumula dez títulos entre regionais e campeonatos do interior.

Rene voltou a treinar há dez dias e cuida da parte física com treinos de explosão e corridas. Ele não quer subir de categoria – de 81 kg para 90 kg. “Imagina eu voltar a lutar com o braço fraco e em uma categoria acima? A discrepância seria muito grande”, explicou. No acidente, o judoca quebrou a cabeça do rádio, osso superior do antebraço. Antes de operar, o atleta viveu uma odisseia que começou mal: o primeiro raio-X apontava para a necessidade de colocar uma prótese.

“No raio-X, a gente achou que tinha estilhaçado o osso e não dava para reconstruir. As próteses preenchem espaço, mas não permitem a articulação ideal, fica limitado. Mas, quando o médico abriu o corte para fazer a cirurgia, viu que dava para reconstruir”, contou. Do acidente à operação, foram três semanas. Em Maresias, Rene foi ao pronto-socorro, mas na volta a Piracicaba é que fez os exames para marcar a cirurgia. Demorou. “O primeiro médico disse que não era especialidade dele e passou o caso para outro, que naquela semana não tinha disponibilidade de local e na outra estava com a agenda cheia. Veio então o terceiro médico, aí sim fui operado”, relatou o judoca.

Rene Mattos, atleta de judô da academia Heisei

Rene é atleta da academia Heisei; judoca espera voltar mais forte após lesão no cotovelo (Foto: Líder Esportes)

O trabalho de fisioterapia é o próximo passo da recuperação de Rene, que espera ver o corpo responder rápido para começar com o fortalecimento – a preocupação é perder massa muscular. “Quando um atleta para, ele perde isso. Quando volta, um lado do corpo ainda está forte, o outro não, por isso é importante tentar igualar, mas o risco de lesão aumenta, pois acelera um processo que deveria ser devagar”, disse o lutador da Heisei.

A confiança também fica abalada. O lado psicológico é outra inquietação do judoca. Em contrapartida, ele diz que o momento pode servir inclusive de motivação. “É um pouco complicado ficar parado, terei de vencer a frustração de não conseguir fazer o que eu fazia quando eu voltar. Talvez tenha de adaptar todos os meus golpes. Por outro lado, tenho muita coisa pela frente e, se precisar mudar o estilo de luta, vou mudar. Quando você fica muito tempo parado, você para e pensa: caramba, que vontade de treinar! Isso vai me ajudar lá na frente, vai ser algo importante no aspecto motivacional”, completou Rene, que abre o sorriso para aplicar um ippon na própria dificuldade.

Início