Voleibol

Apiv sofre 3ª derrota no Campeonato Paulista

Fora de casa, equipe piracicabana é derrotada pelo Super Vôlei Santo André

Não foi desta vez que a equipe masculina da Apiv/Unimep/Selam (Associação Piracicabana de Voleibol) conquistou a primeira vitória no Campeonato Paulista Sub-21. Jogando no Ginásio Pedro Dellantonia, o time piracicabano foi derrotado pelo Super Vôlei Santo André pelo placar de 3 sets a 0, com parciais de 25/13, 25/18 e 25/18, em uma hora e 15 minutos de partida. O duelo foi válido pela terceira rodada da competição estadual, organizada pela FPV (Federação Paulista de Voleibol).

A equipe comandada pelo técnico Chico dos Santos, auxiliar de Bernardinho nas conquistas de oito títulos da Liga Mundial e da medalha de ouro nos Jogos Olímpicos de Atenas, em 2004, volta a entrar em quadra na próxima segunda-feira (26). O adversário será o Sesi São Paulo, em confronto que começa às 19h30 no Ginásio Municipal Waldemar Blatkauskas. O time da capital já disputou cinco partidas no Estadual, com três vitórias e duas derrotas. Em Piracicaba, porém, o Sesi busca a reabilitação após perder para São José e Mogi Vôlei, ambos por 3×1.

CAMPANHA

Na estreia do Paulista, a Apiv foi derrotada pelo São Caetano no Ginásio Lauro Gomes. Jogando em casa, o time do ABC venceu o duelo por 3 sets a 0, com parciais de 25/21, 25/17 e 25/23, em uma hora e 14 minutos de partida. Na segunda rodada, o elenco piracicabano enfrentou o Brasil Kirin, de Campinas, no Ginásio Municipal Waldemar Blatkauskas. Na ocasião, melhor para os visitantes, que triunfaram por 3×0, com parciais de 25/15, 25/13 e 25/14, em um hora e sete minutos de partida. Os resultados, porém, não interferem no planejamento da Apiv, que iniciou o trabalho há pouco mais de um mês.

O Campeonato Paulista Sub-21 é a segunda competição que o elenco vai disputar em 2017. A primeira foi a fase regional dos Jogos Abertos da Juventude, quando a equipe encerrou a participação em segundo lugar. “O grupo é muito jovem. No elenco, temos cinco jogadores com idade inferior a 19 anos e isso faz muita diferença quando se enfrenta atletas com 21 anos. São garotos muito esforçados, temos que acreditar. A receita agora é treinar bastante, pois a margem de evolução existe e eles podem crescer bastante. O trabalho ainda está no começo”, disse Chico.

Início