Opinião

Acabou o gás?

*Capa: Agência Corinthians

Acabou o gás? Para os torcedores rivais do Corinthians, foi isso o que aconteceu. Um grande início e, agora, a realidade. E para os fanáticos pelo Alvinegro é uma fase passageira, de oscilação normal. O fato é que, após cinco partidas, foram três derrotas, um empate e apenas uma vitória. E o empate, nesta quarta-feira à noite, diante do Racing, por 1×1, pela Sul-Americana, foi um péssimo resultado porque o torneio continental tem o chamado gol qualificado fora de casa. Assim, o time argentino se classifica no jogo de volta, em seus domínios, se não tomar gol.

É difícil de dizer o que acontece com a equipe do técnico Fábio Carille. De ‘quarta força do Estado’ no início do ano, o Timão conquistou o Campeonato Paulista e fez uma campanha incrível, com quase 80% de aproveitamento no primeiro turno do Brasileirão. Além disso, passou duas fases na Sul-Americana. Depois, o Corinthians começou a vacilar. Conseguiu perder para Vitória e Atlético-GO, ambos em Itaquera. Dois resultados ‘imperdoáveis’ para o nível de jogo que vinha apresentando. Perdeu o clássico para o Santos, que poderia ter feito mais que os 2×0 na Vila Belmiro, no último domingo, e a igualdade diante do Racing, novamente em casa.

Para alguns, uma resposta para a queda de rendimento corintiano está no fato de os adversários terem estudado muito o líder do Campeonato Brasileiro. Para outros, a saída do time do lateral Guilherme Arana, lesionado, desestabilizou o esquema de jogo. Arana, faça-se justiça, é reconhecidamente um dos melhores da equipe na temporada.  Outra situação de crítica é que o sistema defensivo não é mais o mesmo. O Corinthians vem sofrendo gols seguidos nas últimas partidas, o que não ocorria durante toda a temporada. Já a questão do elenco limitado também é outro questionamento. A equipe titular é ótima, mas não tem opções à altura.

Diante do exposto acima, muito corintiano defende que a Sul-Americana deve ser colocada de lado após o empate em casa, para se concentrar no Brasileiro e confirmar a taça o mais rápido possível. Não concordo com isso. O torneio continental tem datas muito espaçadas e creio que dê para administrar com força máxima nas duas competições. Seja qual for o motivo, porém, o Corinthians tem de dar uma resposta rápida à sua fanática torcida. E tem de ser já na próxima rodada, diante do Vasco, em casa. Se não ganhar, a pressão ficará muito grande, ainda mais se Grêmio, Santos e até Palmeiras vencerem seus jogos.

Erivan Monteiro é jornalista e cronista esportivo

Início