Futebol

18 pontos garantem salvação, diz levantamento

Na busca pela Série D, XV não pode se descuidar na briga contra a Série A2

Fabinho, atacante do XV de Piracicaba
O Nhô Quim conquistou a primeira vitória contra o Red Bull no Paulistão (Foto: Michel Lambstein)

Na primeira entrevista concedida como técnico do XV de Piracicaba, Narciso cravou: o objetivo é a classificação para a Série D do Campeonato Brasileiro. “Nós temos condições de buscar a vaga. Só depende do que fizermos dentro de campo”, disse o treinador, substituto de Claudinho Batista no cargo. As estatísticas, entretanto, apontam que o time piracicabano deve ficar de olho na parte de baixo da tabela e tomar bastante cuidado na luta contra o rebaixamento.

Para escapar do rebaixamento, são necessários 18 pontos ou 40% de aproveitamento

Levantamento feito pelo LÍDER aponta que, matematicamente, a equipe deve fazer 18 pontos (aproveitamento de 40%) para acabar com os riscos de queda para a Série A2. O número leva em conta o fato de que, em 2016, seis equipes serão rebaixadas e as quatro últimas edições do Estadual. Após cinco rodadas, o Nhô Quim está na quarta colocação do Grupo C e em 14º lugar na classificação geral do Paulistão, uma posição acima da zona da degola.

Em 2012 e 2013, o Campeonato Paulista foi disputado em outro formato, com 19 rodadas na fase inicial. Nas duas ocasiões, o 14º colocado foi o Ituano – as campanhas foram semelhantes, ambas com 20 pontos e aproveitamento de 35%. Dois anos atrás, já com o atual sistema, mas ainda com o descenso de quatro times, a 14ª posição ficou exatamente com o Nhô Quim, que fez 19 pontos (42% de aproveitamento). Ano passado, o mais embolado entre todos, foi o Capivariano quem encerrou o Estadual em 14º lugar – 16 pontos e 35% de aproveitamento.

LARGADA

Dois empates, duas derrotas e uma vitória depois, o início da campanha do XV ficou abaixo da expectativa em 2016. O time piracicabano tem cinco pontos e repete as largadas de 2012 e 2013, quando fez campanhas idênticas nas cinco primeiras rodadas. O melhor começo quinzista foi em 2014, com sete pontos – curiosamente, foi a única temporada em que não houve troca de técnico. O pior aconteceu ano passado: foram só três pontos sob o comando de Roque Júnior.

De 2012 para cá, apenas quatro vezes uma equipe caiu depois de fazer cinco ou mais pontos nos cinco primeiros jogos – Portuguesa e Comercial em 2012, ambos com seis pontos; Oeste em 2014, com cinco pontos; e novamente a Lusa, na última temporada, com duas vitórias e três derrotas nas cinco rodadas iniciais. A diferença é que, agora, seis clubes serão rebaixados. Uma vitória contra o Palmeiras, quinta-feira (25), pode ajudar o XV a se distanciar da zona da degola e começar a mirar apenas a vaga na Série D.

Início